Clubes deveriam ter elencos melhores. Já é possível



Jogando com seu time reserva, o Vasco perdeu para o Universitário do Peru em Lima e complicou sua vida na Copa Sul-Americana. Claro que pode inverter o placar em São Januário, com seus titulares em campo e contando com o apoio da torcida.

Porém, a derrota vascaína ou a eliminação do Botafogo são motivos para reflexão. Com cofres muito mais lotados e com a perspectiva de que estejam mais cheios ainda a partir do ano que vem, com o novo contrato de TV, não está na hora de os times brasileiros montarem elencos mais competitivos? Não times titulares, mas elencos mais fortes.

Vasco e Botafogo (para ficarem apenas nestes dois exemplos, mas a conversa serve para qualquer clube grande) já sabiam desde o fim de 2010 que teriam uma Sul-Americana para disputar no segundo semestre de 2011.

Dirigentes, comissão técnica e jogadores até discursaram sobre a importância da conquista da vaga na competição internacional na ocasião. Eles deveriam colocar em seu planejamento, portanto, a montagem de um elenco suficientemente forte para encarar diferentes torneios sem a necessidade de priorizar este ou aquele.

Há alguns anos, dava para entender isso não ser feito. O dinheiro era mais curto e os clubes lutavam para fazer um time titular, que encarava a frente principal do ano. O restante que viesse era lucro.

Agora, o cenário mudou. Já é possível planejar a temporada olhando todas as competições que o clube terá pela frente. O elenco deve ter o tamanho e a qualidade dos desafios que o clube terá. O momento econômico do futebol brasileiro já admite que isso seja feito.



MaisRecentes

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo

Chega de falar de arbitragem!



Continue Lendo

O juiz errou. E os outros?



Continue Lendo