Gente diferenciada



“Uma cidade só para ricos contraria a ideia de cidade.” A frase é de Richard Rogers, arquiteto brilhante que, entre outras coisas, criou o Centro George Pompidou, em Paris, obra que antecipou o conceito de museus para grandes massas.

Rogers defende que uma cidade só é uma cidade se diferentes classes sociais conviverem em um mesmo espaço, sem guetos.

O assunto é pertinente quando há uma polêmica em torno da construção de uma estação de metrô em Higienópolis, bairro de classe alta em São Paulo. O projeto foi abortado depois do protesto de moradores.

Entre outras alegações, teve gente dizendo que não queria “gente diferenciada” por ali. Entenda-se por gente diferenciada pessoas de outros bairros, mais pobres.

O assunto também é pertinente quando vemos cada vez mais segregação a torcedores visitantes em nossos estádios.

No Campeonato Mineiro, terminado domingo, só a torcida do Cruzeiro entrou na Arena do Jacaré. Na semana anterior, só a do Atlético.

Em São Paulo, o Santos destinou 700 ingressos para corintianos no jogo final na Vila. Semana anterior, 5% da capacidade do estádio ficaram para os santistas no Pacaembu. É desta maneira que vamos criando nossos guetos dentro dos estádios.

Pedindo licença para parafrasear Rogers, “um estádio só para uma torcida contraria a ideia de estádio.” Se um jogo de futebol é uma disputa, ela também é uma disputa na arquibancada. E claro, não se está falando aqui de violência. Isso não é o esporte. Mas a disputa saudável de qual torcida é a mais animada, qual consegue fazer a festa mais bonita, qual ajuda de fato um time.

Um estádio com torcida única é como um bairro em que não entram pessoas que não sejam dali. Um local em que só pode ter pessoas vestidas de preto e branco, alviverde, tricolor nada mais é do que um gueto. Impedir pessoas de irem ver o seu time é segregar.

Algumas alegações para se impedir presença de torcida visitante em estádios são discutíveis. A violência é uma delas. Todo mundo sabe que existem confrontos fora do estádio, onde o policiamento é menos presente. Ali ocorrem mortes em emboscadas, brigas, tiroteios etc.

A de que o estádio tem dono e ali se faz o que o dono quer também se discute. Foi esta a alegação que fez o São Paulo destinar apenas 10% dos ingressos ao Corinthians no Morumbi em passado recente.

A partir desta medida, a relação entre os dois clubes azedou. Hoje, são adversários dentro de campo e inimigos fora dele, com todo prejuízo que isso acarreta para um lado e outro.

Se há algo democrático em nosso país é o futebol. Ricos, pobres, negros, brancos, homens, mulheres… gostam de futebol. Assim, a proibição de torcedores visitantes não combina. O estádio é um lugar para todo tipo de gente, “diferenciada” ou não, conviver.



  • ANDRE DIAS

    Fique de olho nos times que podem sofrer mais com a janela de transferências

    Preparamos uma lista dos times que mais podem sofrer com as janelas de transferências que redesenham times e mudam completamente a cara do campeonato.

    Neymar, Lucas, Montillo e Damião são alguns dos jogadores que podem acabar a temporada na Europa

    Santos: Neymar e Ganso. A dupla que comanda o ofensivo time da Vila já é uma realidade e é alvo da especulação europeia. Eventual desclassificação na Libertadores da América pode abreviar a permanência dos dois craques santistas. Além deles, o Santos conta com outras peças importantes e que se ajustariam bem em praticamente qualquer time do mundo: Arouca e Elano. Arouca, aliás, estaria na pauta de Fiorentina, Roma e Palermo.

    São Paulo: Embora o Tricolor não tenha ainda “dado liga” na temporada, os talentos das jovens revelações são-paulinas podem dispertar a cobiça europeia. São os casos de Casemiro e Lucas, principalmente. Há ainda Dagoberto, que vem se transformando num atacante decisivo. Além destes, o São Paulo tem Henrique, Bruno Uvini e Willian José. Uma boa performance no Mundial Sub-20 e um bom desempenho no Brasileirão podem mudar bastante a cara do São Paulo. Além disso, Miranda já está de malas prontas para Madri. Alex Silva pode voltar para o Hamburgo e o vínculo de Ilsinho não foi renovado.

    Cruzeiro: A Raposa rugiu alto no começo da temporada e, por um desastre, acabou fora da Libertadores precocemente. Mas de qualquer forma, o time tem qualidade e jogadores que podem ser alvo do interesse estrangeiro. Thiago Ribeiro, Montillo e Wallyson são grandes nomes que dependem apenas de um bom começo no Brasileirão para serem cogitados no exterior.

    Internacional: O Inter caiu na Libertadores, mas Leandro Damião continua sendo um dos grande xodós da torcida colorada. O atacante que surgiu em 2010 na conquista da Libertadores já foi cotado no exterior, inclusive como futuro camisa 9 do Barcelona. Além dele, há ainda Oscar. O meia depende de mais chances para se firmar no time e, também, de um bom desempenho no Mundial Sub-20 para atiçar o interesse dos grandes europeus.

    Fluminense: O atual campeão passa por um momento de incógnitas e dá a impressão que não é mais o time de chegada que fora no ano passado. Contudo, o argentino Conca, caso consiga voltar a atuar em alto nível, pode ser a grande peça do esquema tricolor a acabar no exterior. O argentino dono da 10 tricolor seria alvo do interesse do Al-Ahli.

  • Convite ao Tironi e seus leitores,

    participem da PELEJATECA, o bolão do Pelejas.

    Deêm os seus palpites para os cinco jogos selecionados, todos pertencentes à primeira rodada do Campeonato Brasileiro Série A – 2011.

    O vencedor receberá inteiramente grátis, no seu endereço, o livro “Pelé, a Autobiografia”, escrito pelo próprio rei do futebol.

    Leiam o regulamento em: http://bit.ly/lwgiXM

    Obrigado.

    Abraços.

  • santos

    palhaçada sem freio e assim ,é não tem geito mais uma ves juiz salva o vasco ,que vergonha so assim mesmo ,juiz sem vergonha este merece o trofel cara de pal ,e comentaristas da globo ainda dis que ele e o melhor arbitro, entao não quero nem ver o pior,ridiculo com juiz debaixo do braço ,copa do brasil e assim

  • santos

    é não tem geito mais uma ves juiz salva o vasco ,que vergonha so assim mesmo ,juiz sem vergonha este merece o trofel cara de pal ,e comentaristas da globo ainda dis que ele e o melhor arbitro,ridiculo

  • Marcus Vinicius

    Bela alusão de um caso ao outro, Tironi.

    Há muito tempo não tenho o prazer de ler um bom texto em blogs. Além de plausíveis, os questionamentos são extremamente pertinentes no que diz respeito à diferença social, cultural e racial, por que não?

    Este caso do termo “gente diferenciada” foi uma das declarações mais infelizes dos últimos anos. Isso mostra como a “elite” trata as demais classes (C, D e E). Em relação ao futebol, o problema está, ao meu ver, acima da paixão clubística, algo muito maior. Hoje, ao falar sobre futebol, sempre tem alguma citação de violência, tira o foco do que de fato é importante, a paixão, a alegria as brincadeiras, etc, etc.

    parabéns!

    abs.

  • Douglas

    Concordo com cada palavra. Pena que pseudotorcedores acham que precisam guerrear para provar sei lá o que pra sei lá quem. Sou botafoguense e adoro esportes em geral, principalmente futebol. Mas às vezes me dá nojo quando leio em fóruns do meu time comentários de torcedores dizendo que tem que quebrar o Fahel ou Alessandro ou o presidente, vice… Alguns ainda argumentam esse tipo de coisa dizendo que tinham que se espelhar na torcida do corinthians ou flamengo, que metem a porrada em todo mundo pra pressionar! Isso é ridículo. Também acho Fahel e Alessandro péssimos jogadores, quase arranco o cabelo com os dois, mas quem sou eu pra me achar no direito de bater em alguém. A coisa já é tão natural que outro dia Alessandro disse que podem xingá-lo a vontade, só não pode encostar a mão nele. Me imagino cometendo algum erro no trabalho e ouvir pessoas me mandando tomar não sei aonde, como se isso não fosse agressão. Isso vale pras torcidas também. Acho flamenguistas em sua maioria arrogantes e enjoados, mas não posso sair me atracando com todo mundo que não gosto. Isso não é valentia, é ignorância!

  • Gustavo

    Bom, só gostaria de deixar um comentário:
    Os paulistas reclamam por não haver leis, reclamam por não haver gente competente pra resolver os problemas da nossa sociedade.
    Mas qual foi o estado que elegeu o Tiririca ?
    Cobrem a ele agora. Sou do seguinte principio: Seja a mudança que espera. Não adianta cobrar todos, se quanto se tem a chance de mudar, joga pro alto, votando em um PALHAÇO.

    Agora sobre o tema, acho muito complexo pra dar uma resposta simples, mas sou a favor do espetaculo e gostaria de ver duas torcidas presentes, só que sendo a favor da vida, penso que isso só será viavel em certos casos, com mais dedicação do nosso poder publico e da nossa policia.
    abraços. SV /+/

  • FLU_TIJUCA

    Não concordo. Essa picuinha entre os dirigentes tem fins políticos, econômicos e às vezes segurança. Digo às vezes porque quando se limita uma entrada par mil, dois mil torcedores para os visitantes, é claro que praticamente só vão pessoas de trcidas organizadas, que geralmente estão prontas para a guerra. E assim a tal segurança tem efeito contrário. Se fosse discriminação, o Botafogo não sublocaria o Engenhão, o São Paulo não alugaria o Morumbi e assim vai..
    Nada tem a ver com a discriminação social na qual os ricos só “gostam” da presença dos pobres para trabalhar e nada mais. O pessoal do Leblon não quer o pessoal do Vidigal na praia ou no Jobi, mas querem um empregado que more perto e pegue somente uma condução para ir e outra para voltar do trabalho.

  • Observador

    Este jornal e site é mesmo de cu-rinti-anus a inveja é tanta que no poster wall-paper cita SANTOS CAMPEÃO PAULISTA se fosse o time do LANCENET citariam BI-CAMPEÃO PAULISTA 2010/11 que vergonha hein … não conseguem nem mascarar que aqui só tem GAMBÁ. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • Luiz

    Por favor Tironi a Nação Palestrina é muito maior que o cargo de Presidente do Palmeiras, então vê se atende a nação palestrina de contratar jogador que goste de bola e que honre a nosso manto, pois, não adianta trazer medalhão e não corresponder. Vê se acha jogador bom e traga, e olha não deixe passar batido o Cicinho, já provou que é bom e está na hora de adquirí-lo.
    Grato

  • Milton Barbosa

    RESPOSTAS A ALGUNS INTERNAUTAS PARTICIPANTES AI OK.
    =============================================
    CAIO / ADILSON – O problema é fora do Estádio e não dentro dele ok.
    ARENA DO TIMÃO – Esta idéia realmente só poderia vir de um curintianu mermo.
    LÉO- Não se trata de discriminação e sim de bandidagem
    BOM SENSO – Nem tudo são as milmaravilhas na Europa viu, a segurança está em 1ºLugar.
    BRUNO MANNA – Concordo, os bandidos tem que ficar em suas casas.
    CHICO – O Campeonato carioca está agora completo, onde se viu um kra que fêz 4 gols ser o melhor do campeonato? isso ai não vai mudar nunca, e vcs estão com técnico mercenário corretissimo. LUXA. KKK

  • anti leco

    Tironi,muito me admira seu comentario a respeito do São Paulo destinar somente 10% dos ingressos ao Corinthians em passado recente,poxa vcs querem por fogo no circo,haja visto que isso foi uma determinação do Ministerio Publico e não vontade do SPFC,agora vcs da midia ficam fazendo o jogo desse Andres(cara mijada,malandro,parceiro do Kia) e as torcidas dos dois times viraram inimigas de morte……….LAMENTAVEL

  • Milton Barbosa

    A medida teve que ser esta, não se deve mudar em nada por enquanto, a menos quando todos os chamados “TORCEDORES DE TORCIDAS ORGANIZADAS”, começarem a provar que a escola e educação faz parte do cotidiano, ou que tenham em mente que não há a necessidade de matar pra provar que o time A é melhor que o time B, e assim por diante. A Verdade é que verdadeiros bandidos incorporam essa massa, (infelizmente), algo de tão lindo como o futebol, poderia receber por exemplo, torcedores do São Paulo, do Corinthians, Palmeiras neste jogo de logo mais a noite pela libertadores, e que encarassem esta disputa como representante do Brasil mesmo, mais não, o Santos tem que representar o Santos mesmo, devido a ignorância que ai está.

  • Dan

    CONCORDO EM GÊNERO, NÚMERO E GRAU !!!

  • Boa tarde. Muito bom o texto. Percebo que assutos como famílias nos estádios, brigas marcadas por internet entre outros são assuntos inexistentes e criados pela mídia. Quem frequenta estádio de futebol (não só um jogo) sabe bem que mulheres, crianças, famílias frequentam normalmente. Sou membro de T.O e o trabalho que vem sido feito para evitar a violência é grande mas em muito casos desnecessários. Torcida única conforme o texto cria sim GUETOS. Imagina acompanhei meu time durante todo o campeonato, o time chaga na final e eu não posso ir porque o poder público não quer que tenha duas torcidas. O relacionamento das T.O com os líderes da segurança pública é bem próximo e é muito fácil ter duas torcidas sem incidente. Engraçado que o mesmo estádio que não pode ter duas torcidas locais juntas respectivamente Atlético e Cruzeiro pode ter torcidas de outro estado. Me lembro do jogo Cruzeiro x Corinthians do ano passado as duas torcidas estavam presente e ainda ficou torcedor do lado de fora. Incidente ? Que recordo nenhum. Qual é a diferença do policiamento. O problema é que focam no assunto violência e deixam de lado : estrutura do estádio, despreparo da polícia, brigas entre dirigentes e brigas de jogadores em campo que pode ser perdoadas pois são atletas, corrupção, entre outros. A COPA2014 esta ai. Estamos assistindo de camarote sem fazer nada estadados como SP com brigas de ego e sem estádio, MG com disse me disse e sem os dois estádios principais, RJ o orçamento para reforma do Maracana aumentando a cada mês entre outros. Me recordo Mineirão 115.000 mil pessoas, Maracana 120.000 Mil, Morumbi 80.000 mil e agora ter que conformar com o Mineirão 55.000 mil, Pacaembu 25.000 mil, Engenhão 22.000 mil e aceitar (obrigatoriamente que a culpa é da violência. VCS NÃO ME ENGANAM

  • Ezoo Campestre

    frequento estadio desde os 16 anos qdo era boy… morte aos Detonautas!!!

  • Filipe

    Grande artigo, estou plenamente de acordo. CONTRA O FUTEBOL MODERNO e AS AUTORIDADES INCOMPETENTES!

  • BRUNO BANDEIRA GDF

    Ótima questão, e parabens pelo texto, o sr. Paulo Castilho se esconde atras dos europeus dizendo q lá funciona assim, mais tds sabemos q na verdade isso não passa de imcompetencia do estado em não garantir a segurança, os conflitos nas ruas independem de lugares na arquibancada para o visitante mais eles fecham os olhos pra isso, e preferem interferir na festa mais popular do Brasil.

  • André Cezar

    Um belo exemplo disso é o infeliz comentário desse Leo TOG, um belo exemplo dessa gente diferenciada, que faz com que os estádios tenham apenas uma torcida. É a triste realidade de pessoas que vêem o esporte como um meio de descarregar as frustrações pessoais.

  • André Cezar

    E um belo texto, porém bastante utópico. A ‘segregação’ supracitada dá-se unica e exclusivamente em virtude da ignorância de determinados torcedores que, esses sim, são ‘gente diferenciada’, agredindo-se e matando-se à troco de nada.
    A divisão de ingressos para torcidas mandantes/visitantes, infelizmente, tem de ser da maneira que está. E o motivo não é a segregação, como foi abordado no texto, e sim pura e exclusivamente uma questão de segurança.

  • Aguilar

    Pode até não ser melhor para o espetáculo, mas são vidas que estão em jogo toda vez que temos um clássico do futebol. Sou contra a violência, e os meios de controle da violência dentro e fora dos estádios se demonstram incapazes de controlar a multidão. Até quando continuaremos perdendo vidas em nome de um suposto “bom espetáculo”????
    Torcida única nos estádios !!!! Basta de demagogia!!!

  • Oswald

    Gente diferenciada é presenciar, como já presenciei, no passado, torcedores do Coríntians roubando válvulas Hidra nos banheiros do Morumbi e colocando fogo em dependências. Para acabar ou amenizar a situação da gente diferenciada é necessário ter uma educação plena, um sistema de saúde pleno e empregos dignos. Não é dando dinheiro para construção de estádios que, em muitos casos, estarão às moscas depois da Copa. Tem muita gente diferenciada nos presídios, e os Direitos Humanos atuam para defendê-los, mas quem atua quando alguém da sua família é roubado, agredido e morto? O Estado está falido e a propaganda governamental apregoa que a gente diferenciada está acabando. Ricos cada vez mais ricos e pobres cada vez mais dependentes dos Bolsas esmolas da vida (sou apartidário, antes que algum imbecil ache que estou defendendo A ou B). Copa do Mundo? Olimpíadas? A maioria dos diferenciados nem sabem o que aconteceu no PAN. Pergunto: alguém foi preso? Não! E, para finalizar, muitos diferenciados clubísticos defem a Arena de A ou B com dinheiro do governo. Com tal mentalidade, quando deixarão de ser diferenciados? Há, podemos criar uma Lei para dar cotas aos diferenciados nos estádios, mas que vão para assistir os jogos em paz. Nada de roubar apetrechos, ok!

  • Chico

    É verdade os classicos cariocas sao os mais charmosos do Brasil, as torcidas dao um show

  • Chico

    É verdade os classicos cariocas sao os mais charmosos do Brasil, as torcidas dao um show quaisquer que sejam elas, mas juntas.

  • Abraão

    Acho a coisa mais chata um estadio com uma torcida só, porem, essa tem sido a unica forma de conter ignorantes que se dizem fanáticos, que vão pro estádio brigar, infelizmente tem que ser radical pra funcionar, se dividir as torcidas da briga com morte de pessoas inocentes, então tira uma torcida e pronto.

  • Neil Azevedo

    Tirone,
    Belo texto, concordo com vc em relação ao metro e a torcida única, porém um adendo:
    Não sou advogado do São Paulo, mas entendo a posição do clube. Quando o jogo era no Pacaembú a torcida ficava somente atrás do gol, isto devia dar 10% da capacidade. Porque quando o jogo era de mando dele teria que dividir a torcida?
    Mesma situação na Vila e Palestra, nunca nestes estádios a distribuição foi 50%.
    Não sei a dificuldade da imprensa entender isto, tudo para defender o mafioso do Andrés?

  • Daniel SBO

    Não concordo com a separação, mas, infelizmente somos subdesenvolvidos em comportamento social.

    Jogamos lixo nas ruas, entupimos bueiros, elegemos corruptos, “fichas-suja” e analfabetos sociais para nos representar. Tratamos os adversários como inimigos.

    A verdade é que a ocasião faz a situação.

    Enquanto for assim, ou seja, enquanto não temos mérito para poder reclamar algo melhor, temos de nos conformar. O tratamento é igual a todos e vai se diferenciando à medida que se desigualam.

  • Otávio Miranda

    Tironi, concordo que toda partida deve ter presença de ambas as torcidas, mas no caso específico do clássico mineiro é de muito bom senso colocar torcida única para os jogos em 7 Lagoas. As partidas no mineirão sempre eram de torcidas divididas, com 50% para cada time, mas é um estádio que oferece condições de segurança para torcedores, inclusive, com vias de acesso do entorno muito distintas e bem separadas pelo traçado urbano da cidade. Desta forma torcedores do Cruzeiro chegavam por um lado e do Atletico por outro, sem nenhum tipo de contato. A arena do Jacaré, além não oferecer nenhuma condição de segurança dentro do estádio, nos portões de acesso e no seu entorno. Além do mais são 60km de estrada até BH, onde nenhuma polícia do mundo seria capaz de garantir a ordem. E se fizer clássicos la com torcida dividida ou com cota para o time visitante, vai morrer gente. Infelizmente é assim, é utopia pensar que a polícia é capaz de proteger 20 mil pessoas num lugar sem nenhuma condição. E quem for contrario a isso, nunca foi la, ou vive no mundo da lua…

  • Paulo Pinho

    Pode se dizer que é o mesmo que um aniversariante fazer sua festa e somente ele pode comparecer. Lamentável! Os governos não podem eternamente esperar que o povo faça a sua parte, segurança se faz com policiamento e punição, e a longo prazo com educação, não cabe ao torcedor deixar de ver o seu time jogar, se trata sim, de coibir e punir as bestas que se escondem sob as bandeiras dos nossos clubes.

  • Sempre quando houver segregação, haverá revés, cada um que arque com as consequências,assim como a violências de torcedores, pra mim, são certos jornalistas comentaristas e doretores de certos clubes com Qi de amêba, ficam provocando torcedores rivais do mesmo nivel de QI deles, os idiotas entram na sintonia deles e partem pra violência..

  • Bruno Manna

    Por causa de comentarios como esse do Leo TOG, torcedor do Patetico Mineiro, é que cada vez mais pessoas de bem deixam de ir aos estádios assistirem a jogos de futebol…
    Pessoas como esse cidadão deveriam ser fichados na polícia e impedidos de ir ao estádio! ! !

  • Bruno Manna

    Acho que todo jogo deveria ser de torcida única, pois assim, não haveriam mais os atos de vandalismo no entorno dos estádios, brigas nas marcadas entre torcidas via redes sociais, etc! ! !
    Dessa forma, as famílias de torcedores passariam a ir mais aos estádios e os mesmos, não precisariam ter alambrados ou foços! ! !
    Por acaso, há cotas de ingressos pra torcidas visitantes em jogos na europa? ? ?
    Acho que somente em finais como Liga Europa e Champions se eu não estiver muito engando. . .
    E mesmo assim, essas finais são feitas em outros paises, ou seja, em campo neutro. . .
    Para que se resolva esse problema, em primeiro lugar, o torcedor teria de ser mais educado, segundo, o poder público ser mais enérgico e terceiro, a CBF criar mecanismos pra tentar coibir atos de vandalismo e selvageria, que em muitas vezes acabam em morte, junto aos clubes. . .
    E os clubes, deveriam ser punidos a cada vez que derem ingressos as organizadas. . .
    Pra mim, torcedor de organizada deveria ser fichado e, caso fosse flagrado em brigas e/ou badernas durante e após os jogos, ser feito como na Inglaterra, ser obrigado a comparecer 3 hs antes do jogo a uma delegacia em dia de jogo e só sair de lá 3 hs após o jogo sobe pena de ser preso por desacato ou desobediencia. . .
    Dessa forma a Inglaterra acabou com os holligans e pq não copiar isso aqui no Brasil com quem estraga o que é a diversão da grande maioria da população?

  • Bom Senso

    Só tenho uma coisa a dizer:

    Que bom que na Europa o futebol não tem sucesso, pois lá, nos classicos apenas a torcida do mandante entra. Assim, os estádios estão sempre vazios e o clube é obrigado a fazer promoções de ingressos a 1 euro para poder lotar o estádio!!!
    Tironi, gosto muito de suas posições, mas, na minha opinião, você foi infeliz na comparação de estádio com bairros.
    Apenas como lembrança, foi o próprio ministério público que pediu a diminuição da torcida adversária em clássicos, devido a inúmeras brigas.
    Na minha visão, pior que estádio com uma única torcida é o horário dos jogos que praticamente impedem que os estádio lotem, afinal, pegando Sampa como exemplo, sair as 23:45 de qualquer estádio daqui pra ir embora pra casa, tendo que acordar as 6:00 no outro dia pra trabalhar, isto sendo otimista, só ajuda a torcida a comparecer nos jogos!!!!

    Abs

  • Antonio

    Excelente texto! Parabéns!!!

    Na realidade o Estado, personificado na figura de alguns ilustres representantes do Minstério Público, quer se eximir dos problemas de violência nos estádios de futebol, descaracterizando o próprio evento “futebol”. Claro!!! É muito mais fácil não permitir a presença de outra torcida do que colocar contingente policial adequado, preparado e bem treinado para essas ocasiões!

    Exemplificando: para esses promoteres de justiça de São Paulo e os responsáveis pelo Batalhão de Choque da PM, o problema de furtos, roubos e violência gratuita, seriam solucionados e praticamente extintos se as pessoas deixassem de sair de casa. No caso do futebol, para essas autoridades seria bem melhor que ninguém fosse ao estádio. Assim, no relatório de estatistica ficaria constando a enorme competência do estado bandeirante em evitar tumultos em eventos de massa, notadamente no futebol.

    Só em São Paulo tem esta aberração.

    Eles nem precisariam trabalhar se ninguém saisse de casa. Poderiam dar suas palestras, fazer política e receberem seus pomposos salários apenas com falácias. E tudo seria uma maravilha!!!

  • Leo

    O autor não guardou as devidas proporções entre os assuntos, que são de ordem muito diferente. Um trata de discriminação de ordem sócio-econômica, enquanto outro trata sumamente sobre segurança, estratégias de marketing ou reserva de mercado, a depender do ponto de vista. Não se trata de excluir pessoas do estádio por sua origem étnica ou seu nível econômico.

    Se o autor tratou de confundir duas coisas diferentes por inocente desconhecimento ou por capciosa militância em favor de algo, mas o fato é que ambas as possibilidades são preocupantes quando se está a falar de um jornalista. Se desconhece um assunto e tudo o que o implica, que vá estudar sobre ele. Se quer militar em favor de algo, que o faça clara e abertamente, de forma ética.

    Sobre democracia e futebol, o recente caso da negociação de direitos televisivos mostra que futebol, o moderno futebol dos negócios, não o antigo futebol-esporte, não é democrático. Nem aqui e nem em lugar algum.

  • Leo TOG

    Tironi, em Minas os jogos passaram a ser com torcida única porque as Marias azuis, muito frágeis, temem pela presença de nós atleticanos junto a elas.

    Mas a verdade, é que a Galoucura é cruel e detona mesmo!

  • Texto perfeito, concordo com tudo!
    Daqui uns dias algum promotor vai ter a brilhante ideia de além
    da torcida única , fazer o time único, num final de semana só joga o Palmeiras e no seguinte
    só o Corinthians….
    SÓ FALTA ISSO…

  • Caio

    Boa, só não me venham falar que isso tudo é por causa do São Paulo FC, por destinar 10% de ingressos ao Corinthians.

    Pois quando o São Paulo joga no Parque Antartica fica naquele cantinho em frente a piscina, quando joga na Vila poucos consegue ver o gol de baixo da arquibancada dos visitantes e no Pacaembu a torcida só ficava com o Tobogã, e no Morumbi o São Paulo tinha que dividir o estádio. O São Paulo está certo nesse ponto.

  • dilson

    Por isso o campeonato carioca é o mais charmoso do Brasil! O Maraca e o Engenhão divide a arquinbacada para duas torcidas!Assim o espetáculo fica completo, tanto no campo como nas arquibancadas!

  • heberte

    Há um plano de elitização do futebol brasileiro, conforme foi comentado acima. Isso não pode acontecer, pois se conseguirem isso vão acabar com o futebol brasieleiro. O povo é a alma do futebol.
    Essa questão levanta uma discussão ainda mais profunda: parece que a Copa do Mundo está onerando muito o país. Moro em BH, a prefeitura daqui está “higienizando” a cidade, restringindo o acesso aos lugares públicos, entregando tudo pra especulação imobilária, transformando a capital em um grande shopping center. Absurdo! Enfim, uma parte da população daqui já percebeu esses absurdos e está contestando a administração do Lacerda.

  • Luís Carlos

    As calçadas do bairro de Higienópolis estão lotadas de cocô, o que indica que as pessoas preferem cachorros a gente diferenciada.

    Mas essa mesquinhez não vem da cabeça dos ricos não. Vem da classe social mais numerosa de São Paulo: a dos-pobres-metido-a-ricos.

  • eduardo

    Tirone. Sei que vc usou o assunto do metro em higienópolis apenas como gancho para seu comentário, mas como judeu e morador do bairro, tenho ouvido tanta asneira e sido alvo de tantos comentários racistas e preconceituosos que me sinto no dever de esclarecer algumas coisas: 1- já existem 4 estações de metro que dão acesso ao bairro de higienópolis, são elas: metro consolação, paulista, santa cecília e marechal deodoro. 2- esta útilma fica ao lado da minha casa e depos que foi construída aumentou muito o numero de ambulantes e mendigos na região, vende-se droga a céu aberto ao lado da estação, aumentou a imundície, pois os ambulantes vem, montam suas barracas e deixam uma enorme sujeira quando vão embora, além do aumentio de orcorrência violentas. Nunca vi ninguém protestar quanto a isso, ou alguém se oferecer para rachar o meu IPTU comigo. 3-Menos de 600 metros da polêmica estação já esta em contrução a estação mackenzie. 4- Os moradores que assianaram o tal abaixo assinado não falam por todos os moradores de higienópolis, porém tem todo o direito de manifestar sua opinião, não vivemos numa ditadura, ou quando vão fazer uma obra do lado da sua casa que voce não quer, voce é obrigado a ficar quieto? 5- dos que assinaram o tal abaixo assinado, apenas alguns tem origem judaica, outros são italianos, japoneses, enfim, de diversas origens étnicas. 6- no tal churrasco da gente diferenciada, aonde os paladinos da justiça e defensores dos fracos e oprimidos vieram protestar contra a elite buguesa judaica do mal de higienópolis, das quase 45 mil pessoas confirmada pelo facebook, não vieram nem mil… ah, e metade delas veio de metrô! Um abraço Tirone

  • Corinthians x Santos no Pacaembu, presenciei uma briga feia entre torcedores do Corinthians. Brigões ignorantes vão atrapalhar em qualquer evento de grande massa. Concordo com o texto!

  • Ruan

    E outra se não a briga entre torcidas, eles brigam entre eles mesmo, então não adianta afirmar que vai diminuir a violência, com uma torcida única, e que, de fato, quem perde é o espetáculo, como bem afirmado no texto.

  • Rafael Pacheco

    Não tenho costume de comentar em blogs. Mas um texto tão claro e tão direto ao ponto merece um pouquinho mais de atenção. A analogia é perfeita, assim como a crítica que ela representa.

    O problema ao meu ver é que existe um plano de elitização do futebol. Era um plano de longo prazo, que ganhou novo fôlego e impulsão com a conquista da Copa do Mundo de 2014. Implantando o sistema de torcida única, um tipo de público que não se sentia seguro de ir para os estádios começa a ir. Quando você aumenta a diversidade do tipo de público, aumenta a quantidade de pessoas interessadas, e quanto maior a demanda, maior o preço.

    Com a majoração do preço dos ingressos entende-se que vai existir menos violência, mais lucratividade e mais organização. Isso é uma grande bobagem, afinal é um preconceito atrelar esse tipo de coisa à classe social de uma pessoa.

    Acho errado que o Ministério Público, o Estado e a Polícia Militar tenham que ter participação em estádios de futebol. Os eventos são privados, e a segurança deveria ser responsabilidade dos clubes. Algo particular. Caberia à polícia apenas controlar os arredores, ainda assim de forma diferente em relação ao que é feito hoje.

    É evidente que aqueles que vão aos estádios com o intuito de brigar devem ser punidos criminalmente, mas o trabalho tem que ser mais intenso tanto na parte da punição como na conscientização prévia. É conversando, educando e mudando as culturas que se obtêm os melhores resultados, e não segregando como estão fazendo.

  • Amigo, Cruzeiro e Patético tem torcida unica porque com as obras do mineirão fica inviabilizado que as duas torcidas compareçam em sete lagoas..

    primeiro pelo unico acesso.
    segundo pela capacidade.

    abraço 🙂

  • Pingback: Blog do Tironi: ‘Gente diferenciada’ | Blog do Corinthians()

  • Sidnei

    Excelente texto, concordo com tudo que vc escreveu aí! As brigas acontecem no trageto até o estádio e nao dentro deles. As autoridades tinham que pensar melhor em jeito de coibir a violencia, diminuir o espaço da torcida visitante ou impedir a mesma de assistir o jogo nao vai diminuir em nada a violencia na rua.

  • Felipe Pimenta

    Aliás, quando se compra ingresso para um show ou para o teatro nem sequer há divisões. Você compra seu bilhete, vai pro seu lugar e assiste. Quem causa transtorno é “convidado a sair”. Acredito que seja por aí que a coisa deva funcionar.

  • Felipe Pimenta

    Concordo com o texto.
    Apartar grupos distintos do convívio social só aumenta o abismo e acirra a rivalidade entre eles. Daqui a pouco vamos ter também ônibus separados, ruas distintas para modelos caros ou baratos de carros…
    Que possamos conviver e punir quem não respeita as regras de convívio. Pois a polícia escolta os marginais e os leva em segurança aos estádios enquanto o povo esconde a camisa do time pra não ser morto na rua. Se existem baderneiros, que sejam eles os punidos e não toda a sociedade.

  • strikerbr

    este tipo de “SEGREGAÇÂO” nos estádio em algumas situações e IMPOSTA, pelo ministério publico, alegando ser questão de segurança. ORAS, o ministerio publico tem a obrigação de manter a ordem e a segurança da população. nesse caso poderia ser feito de duas formas. ampliando, capacitando, e equipando contingentes de segurança (POLICIA) e destinando aos pontos de risco (nesse caso nos estádios), melhorar as leis, e aplica-las em prol da EDUCAÇÂO da popoulação e inviabilizar, a violencia.outra forma seria proibir determinada “PARTE” , de frequentar determinado local. pois quando um não quer, dois não brigam…ou quando um nao esta presente nao tem com dois brigarem ou algo nesse sentido. ta certoq proibir uma torcida de ir ao estadio viola inclusive o sagrado direito de ir e vir garantido na constinuição. mas foda-se! é muito mais facil violar um direito seu, pra fingir estar garantindo outro, do que cumprir com sua propria obrigação, porque da muito trabalho.

  • JRTimão

    A maneira mais facil de lidar com a falta de competencia do estado para exercer seu papel de fiscalizador e mantenedor da ordem nos estádios é isolar as torcidas. É mais barato(?) e cômodo realizar as partidas com uma unica torcida. Falta é capacidade e leis adequadas para punir os infratores exemplarmente. As leis neste país foram feitas para serem burladas e nossos exemplos de “cima” são os piores possíveis.

  • Mario

    torcida unica é o atestado de falencia do estado,falar o nos elegemos nossos governantes e pagamos a conta

  • @alecost

    perfeito! sou totalmente contra a estádio com torcida única.

MaisRecentes

E se der tudo errado?



Continue Lendo

Muita calma com Rueda



Continue Lendo

Muitos jogadores, nenhuma ideia



Continue Lendo