Eles acham que podem tudo



Adriano embarca no Rio de Janeiro e dá entrevista falando que voltará em junho para o Flamengo. Desembarca em Roma e diz que não falou nada daquilo.
Ronaldinho Gaúcho e principalmente seu empresário Assis promovem um leilão descarado entre Grêmio, Palmeiras e Flamengo.
Depois, marcam coletiva e anunciam: agora vão começar a negociar com os interessados. Praticamente fecha com o Flamengo para em seguida mandar torpedo para representantes do Palmeiras dizendo que nada está decidido.
Somália diz que foi vítima de um sequestro relâmpago. Depõe na delegacia, conta como foi o diálogo com o bandido, chora… serviço completo. É desmascarado no dia seguinte. Ele inventou tudo porque chegaria atrasado ao treino do Botafogo.
Jogadores de futebol chegaram a um patamar nunca antes visto. Eles podem tudo. Eles se sentem acima da Lei. Eles acham que o mundo gira em torno deles e que nada mais importa, só o próximo pagode, a próxima loira que pegarão, o próximo carrão que ocupa duas faixas da rua e que bebe muita gasolina em que eles vão desfilar. Com o pagodão alto na caixa de som.
Salários astronômicos, a cultura das celebridades, a cobertura massacrante da mídia, a grana que envolvida no futebol.
Tudo isso ajuda a explicar este comportamento de jogadores.
Mas uma hora o mundo real se sobrepõe ao das celebridades. Aí, Somália pode ser preso, ninguém aprova o desmentido de Adriano nem leva a sério suas crises existenciais, ninguém acredita em uma só palavra de Ronaldinho Gaúcho ou Assis.


MaisRecentes

Existem ‘mentiras’ convenientes, Carille



Continue Lendo

Na forma da convocação, Inglaterra deu show. O Brasil segue careta.



Continue Lendo

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo