Visão de jogo de Botafogo x Grêmio



Esta é a visão de jogo de Botafogo x Grêmio que sairá amanhã na edição do LANCE!. Dê seus pitacos.

O Botafogo teve todas as chances para liquidar o jogo ainda no primeiro tempo. Não liquidou e acabou castigado no fim com o gol de empate.

O 2 a 2 no Engenhão contra o Grêmio teve um amargo gosto de derrota para o time de Joel Santana.

O empate indica que, se o Botafogo quiser mais do que ser coadjuvante no Brasileiro, terá de aprender a matar os jogos.

Para o Grêmio de Renato Gaúcho o empate foi um prêmio a um time que, embora limitado, lutou até o fim. Esta garra pode tirar o Tricolor gaúcho das últimas posições.

Até 10 minutos de jogo, o Grêmio era melhor. Mas na base da velocidade e intensa troca de passes, o Botafogo equilibrou e, em quatro minutos abriu 2 a 0 no placar.

Depois disso, o Fogão passeou e só não fez mais porque insistiu em desperdiçar vários contra-ataques.  Loco Abreu em vez de Maicossuel puxava o time ao ataque.

O erro de posicionamento desesperava Joel Santana, que descontava em sua inseparável prancheta.

Do outro lado, Renato Gaúcho tentava. Com menos de 25 minutos de jogo sacou Gilson (aposta do treinador) e colocou Roberson.  Só aí seu time começou a equilibrar as ações.

Ainda assim, no primeiro round do duelo entre os “reis do Rio”, venceu aquele que na véspera havia brincado e dito que rei era ele. Renato era “o príncipe”.

Os times voltaram sem substituições e o Grêmio diminuiu antes de 10 minutos.

O jogo que parecia fácil para o Botafogo começava a se complicar.Joel, então, fez subistituições e armou seu time para contra-atacar, com Edno, Caio, Maicosuel e Renato Cajá ao mesmo tempo em campo.

A ideia foi muito boa, mas as chances continuaram aparecendo e sendo desperdiçadas pelos jogadores.

No final, em lance despretensioso, Jonas de cabeça, empatou.

Castigo para o time do rei Joel. Um prêmio para o time do príncipe Renato.



MaisRecentes

Existem ‘mentiras’ convenientes, Carille



Continue Lendo

Na forma da convocação, Inglaterra deu show. O Brasil segue careta.



Continue Lendo

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo