Messi da Argentina x Messi do Barcelona



A pergunta que os argentinos mais se fazem há menos de três meses da Copa do Mundo. Por que Messi é um no Barcelona e outro na seleção? Abaixo, segue texto do jornalista Argentino Mariano Dayan, do Diário “Olé”.

“Nós vemos Messi pela TV. Cada sábado, domingo ou em partida da Liga dos Campeões… da Argentina desfrutamos de seu jogo, seus gols, sua lucidez, sua velocidade. E a cada dia surge a mesma interrogação, tão entediante como recorrente: por que Messi brilhba no Barcelona e não rende nem 10% na seleção argentina? É assim, é a inquietude de todos, que nos perguntamos todos ante cada genialidade de Leo, figura top a nível mundial, Chuteira de Ouro indiscutível.  

Acredite-se ou não, não se vê Messi fazer o mesmo no Barcelona e com a camisa celeste e branca. Nem a nível coletivo nem a nível individual. Jogadas como as que fez nos últimos dias, com oito gols em três partidas, quase nunca. E mais: nunca com a seleção fez três gols em uma só partida. 

Por que isso acontece? Porque Leo tem mais tempo de trabalho no Barcelona e, sem dúvida, é ali que se sente mais confortável. Conhece de memória seus companheiros, que jogam para ele. Além disso, Messi tem uma estrutura que o protege. Também porque na Espanha é intocável, muito diferente do que acontece cada vez que joga pela Seleção, onde sempre o olham com uma lupa. De fato, muitas vezes é questionado pela torcida argentina. No último amistoso contra a Alemanha, Messi passou despercebido, apagado como poucas vezes é visto com a camisa azul e grená. Será que era o mesmo jogador do Barça? 

À distância apreciamos Messi, claro, mas hoje ele é mais orgulho catalão do que orgulho argentino. Todos, os torcedores, Maradona, seus companheiros… sonham com o que o mágico 10 de Barcelona pode fazer no Mundial. Que seu brilho possa contagiar sua equipe e dar este grande salto de qualidade. A Argentina depende dele, que tem 22 anos recém completados. Todavia, estamos esperando.” 

Mariano Dayan



MaisRecentes

Futebol ofensivo: todos querem, poucos praticam



Continue Lendo

Segue a tempestade no São Paulo



Continue Lendo

Lições do Brasileirão



Continue Lendo