Timão e Tricolor jogam nesta quarta, mas deixe o manto em casa. Não é seguro!



É do 2º Batalhão de Polícia de Choque da Polícia Militar, a atribuição de policiamento interno “das arenas de eventos artísticos, religiosos, culturais e desportivos, a execução de ações de controle de distúrbios civis”. Isso quer dizer que é responsabilidade dele garantir a segurança dos cidadãos, por exemplo, em jogos de futebol e desfile de escolas de samba, nos quais também se destacam os atos violentos das facções organizadas do Estado de São Paulo que estão embrenhadas nas torcidas organizadas e nos respectivos braços do Carnaval.

De acordo com o sociólogo Mauricio Murad, autor do livro “Para entender a violência no futebol”, entre outros, e integrante da Academia LANCE!, os torcedores pacíficos fazem parte da imensa maioria dessas organizações que provocaram mais de 200 mortes no Brasil, desde que a guerra de facções fez a primeira vítima fatal, em abril de 1988.

Mas não é apenas do 2º Batalhão a responsabilidade pela segurança dessa imensa maioria. É minha e é sua também, se você fizer parte do grupo de torcedores pacíficos. Sim, estão lá no site da Polícia Militar 14 “sugestões ao torcedor” para garantir a sua integridade. Algumas delas, você aprendeu há muito tempo, mas se sente desconfortável, quando tem de explicar para sua filha de oito anos, por exemplo, que ela não pode ir ao estádio com a camisa do seu time porque, mesmo ela sendo uma criança, pode ser xingada e agredida por causa disso. Só por causa disso! “Evite deslocar-se com a camisa ou bandeiras de seu clube. Procure utilizá-las somente dentro do estádio”.

Veja as demais:

“Sugestões ao Torcedor

Compre ingresso antecipadamente das bilheterias, evitando filas e cambistas;

Procure saber em que setor do estádio vai ficar sua torcida e qual o portão de entrada;

Se você estiver levando crianças, é muito importante identificá-las com o nome, endereço e telefone;

Evite deslocar-se com a camisa ou bandeiras de seu clube. Procure utilizá-las somente dentro do estádio;

Evite colocar em seu carro adesivos, bandeiras, etc. Além de acidentes de trânsito, podem significar um risco de depredações;

Jamais participe de depredações, agressões ou atos de vandalismo, contra transportes públicos, o que acaba prejudicando seu deslocamento no dia seguinte;

Se você for de carro, tome cuidado na hora de estacioná-lo. Sempre utilize estacionamentos ou bolsões próximos ao estádio. Você não é obrigado a pagar “guardadores”. Tranque bem as portas, ligue o alarme, leve os documentos, não deixe objetos à vista, não confie em “flanelinhas” e ”guardadores” e não deixe seu carro em locais isolados e mau iluminados;

O estacionamento nas vias ou logradouros públicos é gratuito, menos nas zonas azuis nos horários estabelecidos. Planeje seus horários para evitar congestionamentos. Chegue antes e aguarde alguns minutos após o término da partida. Presos em congestionamentos você esta exposto a qualquer tipo de violência. Combine um local para reencontro em casos de separações;

Não jogue objetos nas arquibancadas ou dentro do campo;

No final da partida procure sair com calma, evitando pânico ou correria. retorne pelas ruas determinadas para sua torcida. Preferencialmente aguarde um pouco para sair do estádio, especialmente se estiver com crianças;

Evite estar sozinho, procure estar sempre com um grupo de amigos;

Não ande por ruas isoladas e mal iluminadas;

Afaste-se de discussões e brigas. O clima de disputa termina junto com a partida.

Lembre-se: hostilidades, provocações e violência ao torcedor do clube adversário, ao árbitro e aos jogadores podem resultar em responsabilização criminal.”

No site da PM, destaca-se ainda o lema do 2º Batalhão de Choque, com letras garrafais: “NÃO PERGUNTE SE SOMOS CAPAZES, DÊ-NOS A MISSÃO. HONRA, FIBRA E VITÓRIA”

E a “Missão”, destacada logo abaixo:

“O 2º Batalhão de Polícia de Choque possui duas Companhias Operacionais cujas principais atribuições são o policiamento interno das arenas de eventos artísticos, religiosos, culturais e desportivos, a execução de ações de controle de distúrbios civis, (sociais, políticos, econômicos, de calamidade pública ou de omissão ou falência de autoridade constituída), e o Policiamento Motorizado.

Além de uma Companhia ROCAM (Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas) que realizam as Escoltas de Dignatários e as Escoltas de Delegações Esportivas e das Torcidas Organizadas nos eventos desportivos do Estado de São Paulo, além do próprio policiamento ostensivo com motocicletas.”

Chama a atenção também a atribuição do 2º Batalhão pelas escoltas das torcidas organizadas. Em entrevista ao L!Net, o diretor-geral da Torcida Jovem do Santos, Denis Almeida, afirmou que o ônibus da torcida viajou de Santos a São Paulo pela Rodovia Anchieta sem a escolta da polícia porque não conseguiu solicitá-la a tempo – tinha até a sexta-feira, dia 21, para fazê-la – porque não havia confirmado que lotaria um ônibus. Segundo ele, a polícia só faz escolta a ônibus, mas não a carros de passeio ou vans e peruas.

Aconteceu na Anchieta o primeiro ataque de uma facção da torcida do São Paulo à Torcida Jovem. A Polícia Civil (responsável pelas investigações, nunca a Militar, é bom que se diga) não conseguiu identificar ainda qual facção foi a responsável, embora a suspeita recaia sobre a Tricolor Independente, que negou prontamente a autoria.

Horas depois, um segundo ataque (não necessariamente feito pelos mesmos bandidos) matou o torcedor Márcio Barreto de Toledo, integrante da Torcida Jovem, na Radial Leste.

Nos dois casos, as vítimas estavam uniformizadas, contrariando as “sugestões ao torcedor” do 2º Batalhão de Polícia de Choque. Virou um erro fatal, afinal, usar a camisa do seu time ou da sua torcida (lembrando que a imensa maioria dos integrantes dessas torcidas é pacífica) na rua.

Nos dois casos, o 2° Batalhão de Polícia de Choque falhou na missão que lhe é dada. “NÃO PERGUNTE SE SOMOS CAPAZES, DÊ-NOS A MISSÃO.”

Na noite desta quarta-feira, o Corinthians enfrenta o Comercial, às 22h, no Pacaembu. O São Paulo vai a Piracicaba, a cerca de 140km da capital, jogar contra o XV. Melhor você guardar a camisa do seu time na bolsa. Ou deixar em casa mesmo. Ou ainda assistir à partida do sofá da sala ou ouvir pelo rádio. Você, afinal de contas, não está totalmente seguro. Infelizmente.



  • Dúvida

    Não entendi, pq a polícia falhou nos dois casos???

  • Dúvida

    Pergunta: Pq a polícia falhou nos dois casos? Não entendi a sua afirmação.

  • ESTRELADOMAR

    sugestão: as diretorias de cada torcida organizada tem que fazer um check list de cada membro de sua organizada, no caso de ter qualquer envolvimento com a justiça no passado tem que ser expulso da organizada, assim evitaria a infiltração de bandidos na agremiãção ;hoje podesse dizer não existe mais torcida organizada e sim depredadores e bandidos organizados,infelismente é a realidade que vivemos.
    Só fazendo essa filtrada nas organizadas que se pode ter alguma esperança de melhora do contrário será cada vez pior.

MaisRecentes

Dois gols que o time de 2015 não tomaria. Isso levará tempo…



Continue Lendo

Quatro anos da morte de Sócrates: Doutor fala da Fiel Torcida



Continue Lendo

Desmotivado e desentrosado, Timão tem seu pior jogo no BR-15



Continue Lendo