2021, o ano dos recordes para Nadal e Djokovic ?



Finalmente cheamos em 2021 após um 2020 muito complicado para todo mundo em que o tênis foi bastante atingido, talvez um pouco menos que outros esportes.

E o que esperar dessa nova temporada ? Bem já vamos começar de forma diferente. Deveríamos estar em plena atividade já com a ATP Cup e eventos importantes em janeiro, mas a pandemia e regras rígidas na Austrália e muitas negociações com o governo, ATP e a WTA, postergaram para fevereiro as atividades e provocaram uma mudança generalizada no calendário culminando com cancelamentos de torneios como o Rio Open, Nova York, Pune, na Índia, e o Masters de Indian Wells.

Mas vamos olhar por 2021 que tende a ser o ano dos recordes para a dupla Novak Djokovic e Rafael Nadal.
O sérvio já tem assegurado o número 1 até depois do Australian Open e em 8 de março fará história ultrapassando Roger Federer com a 311 semanas no topo do ranking.

Com o congelamento pelo menos até março do ranking, Djokovic vai buscar ser o primeiro a fechar uma temporada no topo pela sétima vez, o que desbancaria Pete Sampras.

Nadal e Djokovic estarão em plena atividade na disputa pelos Slams. Nadal pode, já no Australian Open, ultrapassar Federer e se tornar o maior campeão de Grand Slam de todos os tempos no masculino com 21 conquistas. A Austrália costuma ser o carma do espanhol, com uma conquista em 2009 e batendo na trave várias vezes, a última em 2019, o que deixa mais claro do recorde ser batido em Roland Garros.

Djokovic tem essa possibilidade ainda em 2021, mas terá que vencer todos os quatro Slams e destronar o espanhol em Paris o que vimos é tarefa impossível se Rafa chegar saudável. Nenhum tenista venceu os quatro Slams desde Rod Laver em 1969.

Djokovic vai tentar vencer seu primeiro Ouro Olímpico e manter a liderança na disputa dos Masters 1000 (ele venceu 36 contra 35 de Nadal).

Mas e Roger Federer ? Pois bem. Wimbledon é sua maior chance e talvez a única em Slams e a Olimpíada uma de suas obsessões. Quanto ao ranking, praticamente zero de possibilidades para ele. Nem convém em sua idade, chegando aos 40.



MaisRecentes

Aberto da Austrália deveria ou não ser adiado ?



Continue Lendo

ATP termina ano com uma bola fora



Continue Lendo

2021, o ano da aposentadoria de Federer ?



Continue Lendo