ATP Finals –  Equilíbrio total. Nadal com poucas possibilidades



ATP Finals começa neste domingo e mais imprevisível do que nunca. Grupos bem equilibrados e tenistas oscilando.
Novak Djokovic, que seria um favorito natural, vem de uma campana preguiçosa em Viena onde só foi para confirmar o número 1. Por mais que o objetivo tenha sido cumprido, veio de atuações ruins e uma derrota, o que mexe na confiança e causa dúvidas. Tem uma chave enjoada onde a estreia é a que parece ser a menos complicada.
Rafael Nadal mostrou em Paris porque não é confiável no piso duro e coberto. Sofreu e ganhou de quem tinha que ganhar. No maior desafio não superou e em Londres tem três adversários bem duros que vai precisar mostrar mais tênis para sair com uma vaga na semifinal.

Medvedev e Zverev são os que chegam mais confiantes pelas últimas semanas e o alemão ainda passando pelo problema pessoal da acusação de abuso e violência contra a ex-namorada que é notícia praticamente todos os dias. Ao que parece, dentro de quadra, não vem surtindo efeito até aqui. Os dois estão no mesmo grupo e na mesma chave de Djokovic e estreiam um contra o outro. Jogo que pode ser de vida ou morte para ambos.

Dominic Thiem, apesar de derrota precoce em Viena, ano passado fez final na O2 Arena e vem de um ano muito bom no piso duro. Não pode ser deixado de lado. Andrey Rublev terá que superar o carma contra os melhores jogadores. Conquistou três ATPs 500, mas nos torneios maiores não conseguiu brilhar. Tsitsipas vem com a missão de defender a conquista e não foi bem nos últimos torneios.

A tendência é de jogos equilibrados e imprevisíveis. E de um ATP Finals emocionante.

Nas duplas, Marcelo Melo e Bruno Soares em grupos diferentes e boas chances de ambos irem para as semis.



MaisRecentes

Aberto da Austrália deveria ou não ser adiado ?



Continue Lendo

2021, o ano dos recordes para Nadal e Djokovic ?



Continue Lendo

ATP termina ano com uma bola fora



Continue Lendo