Djokovic, o mais completo de todos ?



Ganhar todos os nove Masters 1000 sendo o primeiro homem a obter esse feito é enorme.  É preciso vencer em qualquer tipo de piso e situação. É preciso ser completo.
O piso duro e clima seco de Indian Wells por vezes com muito vento, a umidade e calor de Miami, o jogo mais lento de Monte Carlo, mais rápido em Roma, com a altitude de Madri, os dois torneios no Canadá com condições completamente diferentes, Cincinnati com a superfície mais veloz e por último o piso mais veloz do mundo em Xangai, e Paris, duro e coberto e bem no finalzinho da temporada.
Roger Federer não conseguiu dois deles no saibro (Monte Carlo e Roma), bateu na trave chamada Nadal algumas vezes e o próprio espanhol no fim do ano não consegue ter sucesso adequado em Paris e Xangai muito pela velocidade da superfície e por conta do físico. Em Miami também esteve perto várias vezes, mas não conseguiu.
Djokovic não tem aquele domínio que Nadal estabelece principalmente na superfície lenta e tampouco a plastificidade e o talento de Roger Federer, mas é um jogador completo, sólido e extremamente eficiente. Os números tanto em Masters quanto nos Slams me levam a crer nele como o jogador mais completo. Isso não quer dizer ser o melhor, parecem ser sinônimos, mas existem variáveis.
As bolsas de apostas já colocam o sérvio como favorito para o US Open. Se dependesse das atuações ao longo do torneio não diria isso, mas se depender da atuação na final e pela confiança que vem tendo vencido Wimbledon, Nole entra com certo favoritismo ao lado de Rafael Nadal. A atuação de Federer na decisão foi até certo ponto decepcionante, falhando muito nas devoluções e no fundo, e o colocaria no bolo como terceiro na linha do favoritismo.


MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo