Del Potro apimenta o circuito



O melhor jogo da temporada. Roger Federer e Juan Martin del Potro protagonizaram o que se não será o melhor jogo em torneios ATP do ano, estará sem dúvida no top 3 e quiçá possa ser eleito o melhor no geral do ano. Normalmente os Slams têm mais drama, partidas de cinco sets, mas do que vimos até aqui em termos de qualidade e drama mesmo em menor tamanho a batalha deste domingo atendeu todas as expectativas que pairaram sobre o encontro.
Foram necessários nove anos, três cirurgias no punho esquerdo, uma no direito, o fundo do poço a quase aposentadoria para que o argentino pudesse voltar ao auge técnica e mentalmente. Eis que Roger Federer era o rival de sua ainda maior conquista, a do US Open, em setembro de 2009.
Sim Del Potro nos últimos cinco, seis anos fez bons resultados, em 2013 foi vice de dois Masters 1000, mas desde que o problema no punho esquerdo ficou crônico que o argentino não batia com força também no backhand, um golpe que era seu buraco, e não jogava com confiança. Tinha que ser um tenista assim e com coragem e cabeça forte para destronar o domínio de Federer que vinha mais absoluto pelas ausências notáveis de Rafael Nadal, Novak Djokovic, Stan Wawrinka, entre outros.
Agora são onze triunfos seguidos do argentino que vira sexto do mundo próximo ali da briga pelo top 3. Ainda bem longe, mas já podendo sonhar com o número 1, por que não ? Só Nadal defende 4700 pontos até Wimbledon e Federer cerca de 4 mil até o US Open com foco maior na temporada de grama. O desafio maior é o físico. Suas costas deram sinais ruins no meio de Indian Wells e há dúvidas se o punho vai ou não persistir.
Para Federer ficou a chance perdida de garantir o número 1 até pelo menos meados de maio. Precisará de três vitórias em Miami o que não parece tão duro, mas dependerá da chave e sua forma física. Seu amigo de circuito e já retirado Fabrice Santoro afirmou que Roger voltou a sentir as costas antes da semi. Federer, como sempre, disfarça e afirma estar bem fisicamente. Contra Borna Coric vimos que esse discurso pode não bater com a verdade.
Nova campeã
Tudo se encaixou nos últimos dez dias para Naomi Osaka ganhar de forma surpreendente o título na Califórnia. Vitórias incontestáveis sobre Maria Sharapova, Simona Halep e Daria Kasaktina. A flor desabrochou, resta saber se ela florescerá ou se perderá pelo caminho como tantas outras na WTA.


MaisRecentes

Nem sempre se pode ganhar todas



Continue Lendo

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo