Federer o franco favorito em Londres. Pouco a se tirar do Next Gen Finals



Com Rafael Nadal machucado, pelo menos sentindo algumas dores, um cartel desfalcado e com tenistas de pouca experiência e o momento em si, difícil não dizer que Roger Federer é o franco favorito ao ATP World Finals.
Começou bem, sem brilho, mas fazendo  seu papel e terá agora o que promete ser seu mais duro compromisso na chave e no torneio, o sacador Alexander Zverev que virou muito bem contra Marin Cilic e jogará sem pressão contra o suíço sabendo que já lhe derrotou antes e que mesmo perdendo terá boas chances de classificação.
De qualquer forma ele é o franco favorito ao HEPTA.
Marcelo Melo pode se tornar número 1 ao fim do ano e campeão do ano ao lado do polonês Lukasz Kubot nesta segunda-feira. Henri Kontinen e John Peers tropeçaram na dupla menor ranqueada do torneio e da chave e deixam o brasileiro e o polonês dependendo de apenas um triunfo nos três jogos da fase de grupos para ratificar o título em 2017. Melo já terminou no topo em 2015, mas não havia sido campeão com Dodig. Seria um feito e tanto para o mineiro.
A dupla larga com a forte chave dos brasileiros nesta segunda com Bruno Soares/Jamie Murray contra os Bryans e depois Mlo/Kubot x Dodig/Granollers. Difícil cravar alguma coisa.
E o Next Gen Finals terminou neste sábado com o teste de regras novas, mas poucas delas devem ou deveriam ir adiante.
Um jogo sem juiz de linha requer um custo muito alto em tecnologia e seria para pouquíssimos torneios e pouquíssimos jogos. Seria um impacto negativo para o tênis. Menos juízes, menor mão-de-obra, menor interesse e os torneios médios e pequenos tendem a ter menos qualificação na arbitragem no futuro.
Os sets rápidos de 4 games reduziram o tempo de jogo tanto é que o máximo durou 2 horas, mas provocou uma enxurrada de tiebreaks, o que, na minha opinião, não é saudável. Ivos Karlovics e John Isners da vida devem ter curtido.
O No-Ad é uma regra que vem sendo discutida até para ser extinta nas duplas. Torna o jogo mais loteria, uma sorte aqui, outra ali é uma quebra que muda tudo.
O Shot Clock sim é interessante e pelo que vimos alguns árbitros demoraram mais a soltar o relógio depois de pontos mais longos, usaram um bom-senso. Darão mais respaldo para os juízes diante de quem exagera.
O coaching foi usado como show no torneio, em eventos menores talvez tivessem estrutura semelhante ao dos WTAs. Um por set bastaria no meu entender uma vez que o tênis perderia sua essência se usado com frequência.
Vale o registro – Falando em Next Gen,  Thiago Wild venceu seu primeiro future na Turquia batendo três favoritos na semana. Vai subir para o 650 do mundo em sete dias e encerrará a temporada no challenger do Rio de Janeiro.
Começa nesta segunda o primeiro future no país na temporada, em Santos. Teremos Orlandinho, Marcelo Zormann, Igor Marcondes, Felipe Meligeni. Bom para ver nossos jovens talentos em ação e a quantas anda a recuperação de Orlandinho treinando com Marcus Vinícius, o Bocão.


MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo