Touro afia as garras em Wimbledon



Quando Rafael Nadal afirma que está jogando perto do irreal é porque de fato está atuando bem. Ele costuma ser muito critico com ele mesmo. É isso o que vimos em sua primeira semana em Wimbledon, muita firmeza, bom saque e uma terceira rodada perto da perfeição por um set e meio e muito bem na parte mental n fim da partida.

São coisas do tênis, às vezes você chega sem nenhum torneio preparatório na grama, mas a confiança de um título com autoridade, com pouco desgaste físico como foi Roland Garros e dois jogos que deram bom ritmo ajudam bastante.
Nadal está jogando para fazer coisas muito boas em Londres, é o favorito no lado da chave dele, até mais que Andy Murray que hoje foi testado e por pouco não teve que ir para o quinto set contra o italiano Fabio Fognini . Mas como sempre a grama é imprevisível, Gilles Muller também vem confiante e é o típico jogador que Rafa mais odeia no piso, sacador, corta-físico. Um setzinho ganho num tie-break e a coisa aperta. E em seguida Marin Cilic seria outro baita teste no sonho do tricampeonato do espanhol.
Infelizmente nosso Bruno Soares foi eliminado, pegou dois rivais muito bons na grama e um Groth sacador. O mineiro vinha de grande preparação na grama com título em Stuttgart e Queen´s e amarga mais um ano sem passar das quartas no torneio. Entre os quatro Majors é o de pior resultado para ele. Fez semi em Roland Garros e ano passado papou o US Open e o Australian Open.
Marcelo Demoliner está nas oitavas cm uma vitória consistente sobre rivais que bateram a dupla campeã de 2015 e pegam dois britânicos bem acostumados com a grama, mas que não são de outro mundo. Dá pra sonhar com as quartas.
Bia Maia e Thiago Monteiro mandaram muito bem em simples no torneio. Infelizmente Thiago não conseguiu aproveitar as chances que teve, mérito do adversário na maioria delas, mas o importante é que seu alto nível voltou.  Bia também anima muito para o restante da temporada que já vem sendo bom e consistente.
Decepção para Thomaz Bellucci. Tudo bem que seu rival ganhou de Jack Sock na segunda rodada, mas Thomaz não sacou, não foi consistente, não foi agressivo, ficou apático e frágil mentalmente diante de um adversário que nunca tinha jogado uma partida de Slam ou ATP e no início do ano disputava futures. Perdeu demonstrando pouca luta e isso me preocupa. No início do ano na derrota no Brasil Open já havia admitido ter perdido a alegria de jogar.
Vem uma série interessante para ele no saibro onde sempre costuma beliscar um bom resultado. Chance de levantar a cabeça e recuperar a auto-estima.


MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo