Enredo de filme



Se o ano passado nos brindou com Juan Martin Del Potro renascendo das cinzas, brilhando na Olimpíada e dando um desfecho épico com o único título que faltava para o tênis argentino, tão perseguido como a Copa Davis, 2017 já começa com outro enredo que poderia muito bem ir para as telas do cinema.

Roger Federer e Rafael Nadal, afastados do circuito por problemas físicos derrubaram um por um de seus adversários, surpreenderam e fizeram mais uma daquelas inesquecíveis finais entre dois. Depois de tudo pelo que passaram este duelo merecia uma final como estas, com tensão, cinco sets, drama.

E o mundo do tênis, até mesmo aqueles torcedores de Nadal, aplaudem o desfecho, mesmo sendo contrário ao que gostariam. Desfecho de um Federer que supera alguns traumas, o primeiro de passar por uma cirurgia, ficar tanto tempo fora do que estava acostumado, e também de superar um fantasma em sua carreira, seu maior rival, em uma final de Grand Slam (não conseguia tal feito desde Wimbledon 2007, terceira vitória em nove decisões)

E o que é melhor, o respeito que ambos demonstram dentro e fora das quadras apesar da grande rivalidade, sem alfinetadas, disputa de egos e humildade principalmente após os últimos anos de suas carreiras.

E agora o que fica daqui pra frente ? Federer deixou soltar um “if not” na cerimônia de premiação sobre 2018 no torneio. Reitero o que afirmei no último post. Ele já tem as ferramentas para se retirar nesta temporada, mas ainda acredito que ganhar Wimbledon na cabeça dele, será a cereja do bolo.

O tênis torce para que Federer e nem Nadal se retirem. Eles serão eternos.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo