Del Potro, a Davis e o destino



Depois de 116 anos de Copa Davis e 35 temporadas de frustrações desde o primeiro vice-campeonato, finalmente foi feita justiça no tênis, reparação de um dano de um país tão tradicional no esporte não ter uma Copa Davis.
Sim, Federico Delbonis ganhou o último ponto, foi perfeito, jogou como nunca, mas coube a Juan Martin Del Potro o rótulo de verdadeiro herói. Herói por ter sido execrado pela mídia local em 2008 em sua primeira final, em plena coletiva de imprensa após a derrota em Mar del Plata contra a desfalcada Espanha. Ele e David Nalbandian lideravam o time da casa favorito, não jogaram bem, bateram boca no vestiário, foram muito criticados, mas Delpo foi um dos poucos a dar a cara à tapa para a revoltada imprensa local e falou, mesmo que discutindo com alguns da mídia. A outra estrela, que hoje vibra pelas redes sociais, não apareceu. Só quem esteve lá como eu lembram de tal situação até constrangedora.
Del Potro é o herói por várias outras razões. Por ter a carreira que tem, com conquistas, idas e vindas, quatro cirurgias no punho, três no esquerdo, e uma volta por cima que poucos imaginavam já este ano. Bateu seis top 10, derrotou Novak Djokovic, foi o último a bater Andy Murray que logo a seguir se tornou número 1 do mundo e não perde há mais de 20 partidas.
Para colocar a cereja no bolo ganhou o jogo crucial contra Marin Cilic com requintes de drama ao extremo. Saindo de dois sets a zero abaixo, com quebra abaixo no começo do quinto set e uma batalha de 4h53min na casa do adversário.
Talvez nem mesmo o melhor roteirista de Hollywood poderia prever tamanhas emoções para o que viveu Del Potro.
Vamos deixar o bairrismo de lado. Isso não é futebol. Rivalidade sim floresce, é importante, mas não o ódio. Gustavo Kuerten é venerado na Argentina e aqui temos que celebrar tal conquista e nos espelhar no que os argentinos fizeram e fazem com o tênis há anos. Não vejo um grande investimento financeiro de um mega patrocinador colocando milhões por ano, mas o diferencial que lá o esporte é popular. Basta percorrer, quem tiver a oportunidade, as ruas de Buenos Aires para ver a quantidade de quadras públicas e quantidade de clubes com diversas quadras de tênis. Eles merecem.
E nesse ano tão , digamos, diferenciado, o desfecho teria que ter a Argentina campeã da Davis. Afinal muita coisa incomum aconteceu. Andy Murray tomando a ponta de Novak Djokovic no ranking, Maria Sharapova, quem diria, confessando doping, Roger Federer, intocável, parando meses por lesão, Serena Williams perdendo a ponta com Angelique Kerber vencendo dois Grand Slams.


MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo