Dupla decepção



O final de semana não foi como imaginávamos para o Brasil em Ostende. Obviamente era um confronto duro, mas nossos principais tenistas estiveram abaixo do que poderiam render e admitiram isso. E o placar não mente. 4 a 0 para a Bélgica.

Thomaz Bellucci seguiu a tônica de seu ano irregular. Fez uma semana memorável na Olimpíada, encheu o torcedor de esperança e não jogou bem tanto no US Open como contra Steve Darcis. Darcis aliás tinha um jogo certinho para enrolar o brasileiro no tipo de piso escolhido, slices, tira o peso, vai pra rede, acelera. O brasileiro acabou perdendo a confiança aos poucos e pressionado não conseguiu reagir. Não deixa de ser uma decepção uma vez que era um ponto onde era favorito e chave para o confronto.

E a dupla Marcelo Melo e Bruno Soares não atuou bem mais uma vez. Pegou belgas inspirados e soltos pelo placar de 2 a 0, mas esteve a frente duas vezes no marcador e não conseguiu matar. O ponto que era ganho e daria sobrevida foi embora de forma surpreendente.

É a terceira vez seguida em Davis que Melo e Soares não conseguem jogar no melhor do que já mostraram juntos na competição. Perderam da dupla croata onde tinham ligeiro favoritismo e sofreram contra equatorianos sem experiência e entrosamento. Se individualmente com seus parceiros seguem firmes e no top 5 com ótimas temporadas, o ano deles juntos não foi como se imaginava. Não disputaram medalha na Olimpíada e nos demais torneios alcançaram uma semifinal apenas. O click de 2016 não veio, infelizmente.

Thiago Monteiro pegou um dos adversários mais duros para se estrear numa Copa Davis, um jogador regular, firme, consistente e no piso que não é o seu preferido. Difícil fazer sua estreia na Davis numa partida como essa. Fica o aprendizado pois será de grande valia para os próximos duelos.

A Argentina mostrou a versatilidade da equipe que ganha muita força com a presença de Juan Martin del Potro. Três dos jogadores com nível top 50 e um deles craque que faz a diferença para bater a Grã-Bretanha em um confronto memorável. Tem grandes chances de bater a Croácia e faturar finalmente seu primeiro título de Copa Davis mesmo jogando fora de casa. Para os croatas, a recuperação de Borna Coric, que jogou a semi lesionado, será fundamental.



MaisRecentes

Laver Cup faz história e dá um tapa na cara da Davis. E Bia Maia muda seu patamar no circuito



Continue Lendo

Nadal no Olimpo



Continue Lendo

O enorme coração de Del Potro



Continue Lendo