Entendendo Bellucci e Djokovic



 

Novak Djokovic é o único do Big Four em Toronto. Por qual motivo ? A derrota na terceira rodada em Wimbledon pesa na confiança. Chegar na Olimpíada com vitórias e um título na bagagem seria o ideal para a medalha dourada que lhe falta na Olimpíada. Ele defende final no Masters canadense, 600 pontinhos ou 400 a mais se levar o troféu que farão diferença na frente na briga pelo número 1. Para Murray essa não ida terá o defict de 1 mil na conta. A vantagem etre os dois é de 815 no ano e pode pular pra quase dois mil. Nole tem muito a defender no fim de ano.
Para Thomaz Bellucci os pontos também são importantes. Um tanto estranho o calendário com Wimbledon na grama, challenger no saibro na Alemanha, Copa Davis no piso duro, um ATP e um challenger no piso lento antes da Olimpíada voltando pra superfície dura.
O certo é que Davis e Olimpíada não dão pontos e ele tem que buscar onde pode, no saibro. Aí o motivo por ter pulado o Masters de Toronto ou Washington, por exemplo. Tem Gstaad com semi a 90 a descartar na conta mais outros 45 do Canadá e os 90 da terceira fase do US Open. A desgastante viagem de Belo Horizonte pra Suíça deu uma pesada e os 100 pontinhos de Biella vão lhe garantir pelos 50 50 e poucos do mundo nas próximas semanas e depois da Olimpíada é tentar buscar em Cincinnati para não fugir muito do grupo.
Jogos Olímpicos são importantes, especiais para todo tenista, mas estar bem posicionado na ATP para poder jogar os Masters 1000 e os principais torneios do mundo precisam ser levados em consideração.
Thiago Monteiro não foi chamado para a Copa Davis, mas por outro lado se beneficiou muito disso. Passou dois qualies na Europa, venceu bons jogos, voltou a bater um top 30 e acumula um salto de quase 20 posições em duas semanas a oito pontinhos do top 100. São quatro ATPs jogados no ano com seis vitórias e quatro derrotas, duas quartas de final, três vitórias sobre top 50, uma sobre um dos dez melhores. Podemos dizer que ele no saibro já é uma realidade. Piso duro agora é o desafio com Atlanta, Los Cabos, Cincinnati e o US Open.
Brasil x Bélgica na Copa Davis – Duelo fora de casa é sempre mais complicado. Depois de analisar o final de semana anterior, o time belga deve colocar um piso duro coberto bem veloz. Qualquer coisa diferente não seria tão inteligente da parte deles.  De qualquer forma vendo por hoje, dá pra imaginar o Brasil em condições de ter um 2 a 1 pro domingo e com boas chances de vitória. Os torneios no piso duro vão dar uma ótica de quem merece a condição de ser o nosso número dois.


MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo