Murray pode se tornar o número 1 ?



Alguns dias no circuito uma zebra e um título que podem dar um novo parâmetro pro tênis nos próximos meses. Com a conquista e, Wimledon, Andy Murray corta para menos de 5 mil pontos a desvantagem para Novak Djokovic. É muita coisa ainda, dois Grand Slams e um Masters 1000, mas basta olhar o ranking do ano para ver que a diferença entre os dois é de apenas 815 pontos, menos de um Masters 1000.
A consistência do britânico está falando alto. Chegou em todas as finais de Grand Slam, ganhou um Masters, um ATP 500, e em Roland Garros chegou a estar na frente na decisão.
Nole tem muita coisa a defender pro fim do ano, Murray nem tanto e mantida a pegada do natural de Dunblane uma chance ele vai ter até o ATP World Finals. Basta também, é claro, que o sérvio oscile. O ano de Djokovic é excelente, mas dois deslizes já aconteceram, um em um Slam que pesa muito na pontuação e outro em Monte Carlo.
Mais do que essa disputa foi ver a coragem e o domínio de Murray diante dos adversários em Wimbledon tirando a partida contra Jo Tsonga. Sem Federer e Djokovic pelo caminho tinha muita pressão em uma final contra um sacador com apetite e controlou suas emoções trabalhando bem as passadas e devolvendo com firmeza o demolidor serviço do canadense.
Curtinhas:
Thomaz Bellucci campeão em Braunschweig, volta ao top 50 consumada. Uma pena ter um ATP 500 na semana da Copa Davis, a chave de Hamburgo poderia ser acessível com muitos pontos em jogo. Ele volta para jogar Gstaad e um challenger na Itália antes das Olimpíadas.
Thiago Monteiro arriscou, foi pra Alemanha, furou o quali e tem uma primeira rodada ganhável. Se conseguir o triunfo serão 65 pontos somados, uma final de um challenger grande e o top 100 um pouco mais perto.


MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo