Roland Barrô



Tenistas entrando em quadra com chuva, tendo que jogar o máximo que puderem com o mau tempo, em cima literalmente do barro, em condições deficientes e até perigosas, podendo causar lesão, uma travada de pé, escorregão ou outro problema que só uma quadra encharcada, recheada a de lama, provocam.

Um raio que atinge a torre de transmissão e faz com que por horas os jogos da quadra central tenham que ser mostrados de uma câmera de cima, sem caracteres e nenhuma informação do placar do jogo.
Fora os outros problemas que Roland Garros já tem como espaço apertado e recursos obsoletos diante de outros Grand Slams.
A organização vem fazendo de tudo para minimizar o problema do mau tempo, mas ao mesmo tempo mostrando fragilidades, expondo os jogadores e contribuindo para a banalização do espetáculo. Duas das principais favoritas caíram e reclamaram muito,Ernests Gulbis e David Goffin se recusaram a jogar. Novak Djokovic, que já reclamou da falta de iluminação, ainda não falou nada pois a coletiva de imprensa só acontece depois de seu jogo.
É bom que não esqueçamos. O torneio atrasou o projeto por birra da associação de moradores do local que entraram com diversos recursos junto à prefeitura de Paris e contestações na realização da obra de modernização e também “burrocracias” que nós aqui do Brasil estamos bem acostumados. Bem, nós não temos um Grand Slam, mas este Major, como Radwanska comentou, parece mais um future e entra no hall no pior dos Slams no momento. Lamentável


MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo