Federer deixa vazio enorme em Roland Garros. Nadal vai ter que se superar



O quadrante mais difícil de Roland Garros é o de Rafael Nadal entre os principais favoritos. Duas primeiras rodadas teoricamente fáceis e o problema já começa com Fabio Fonini na terceira, Dominic Thiem nas oitavas, Jo Tsonga, que joga bem em Paris, nas quartas, e claro, Novak Djokovic na semi.

Andy Murray, em papo com o Bandsports, comemorou ficar longe de Novak Djokovic na chave, e em princípio só deve se complicar lá pelas quartas contra Kei Nishikori e depois Stan Wawrinka. Parece que as coisas conspiram para o britânico. Veremos.
Quem joga na semana anterior costuma desperdiçar energia ainda mais pra um Slam com jogos muito definidos no físico como é o Aberto da França. Não acho que Wawrinka tenha feito uma opção certa, mas por outro lado ele chega confiante pelo título em Genebra.
O torneio tem um enorme vazio. Sem Roger Federer pela primeira vez em um Grand Slam desde o US Open em 1999. Muitos dos leitores talvez nem tinha nascido ou ainda pouco conheciam de tênis quando isso aconteceu. Foi um recorde com 65 Majors seguidos. É duro ver Federer fora de um Slam, ele significa muito pro esporte. Deixa um vazio enorme. Como seria o tênis sem ele ? Ninguém sabe. Ninguém está preparado.
Thomaz Bellucci tem uma ótima oportunidade em Roland Garros de jogar solto contra um tenista que confessadamente sente a pressão por jogar o torneio em casa e pede para não atuar na quadra central, a Philipp Chatrier. Rogério Dutra Silva tem uma missão bem complicada contra Gilles Simon.
A chave feminina tem uma favorita: Serena Williams. Victoria Azarenka está baleada e as demais cambaleando. Por outro lado o evento tende a ficar interessante pela imprevisibilidade. Surpresas devem acontecer.


MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo