Alarmante!



Mais um abandono sob temperatura de 30º C cerca de 30 minutos depois de uma bela virada no primeiro set. Vamos deixar a questão chance perdida de lado, o fato de não ter mais Rafael Nadal na chave com possibilidade de avançar muito em Miami.

Problemas com o calor na Austrália, Rio de Janeiro, São Paulo e agora no Masters da Flórida. Prejudicando e muito o começo de temporada do brasileiro.
Que Thomaz tem uma perda hídrica acima do normal para atletas isso não é novidade. Desde 2011 que seu antigo preparador físico, Cassiano Costa, já revelava isso e as tentativas de se achar soluções definitivas de repositores.
Só que o problema ficou mais grave nesta temporada e vem dando dores de cabeça na equipe. Thomaz não só vem perdendo sua vitalidade em questão de 1h30min dentro de quadra sob umidade e sol forte como vem apresentando visão turva, tonturas e a habitual falta de energia. Daí o nível cai, ele encurta os pontos, faz saque e voleio e a coisa desanda.
Bellucci relatou, em entrevista ao Globoesporte.com e ao BreakpointBr que chega a perder entre 5 até 6 kg por partida, duas vezes acima do comum.
Se por um lado a chegada da temporada europeia com clima mais ameno pouco passando dos 27º C, 28º C dá um alento por melhor desempenho, a acentuação do problema gera um alarme no tenista que tem bastante a defender até Roland Garros e corre um pequeno risco de ficar fora de vaga direita na Olimpíada.
Teliana com alto risco – Com sete derrotas em oito jogos em WTAs , Teliana Pereira encara a partir de agora a pressão de defender 500 pontos até o fim de Roland Garros e também sua vaga Olímpica sem precisar pleitear a vaga oferecida ao país-sede caso o Brasil não tenha representante por vaga direta. Derrotas no piso duro a maioria normal, mas anormal suas atuações e os placares dilatados, mostrando um frágil serviço e pouco efetividade no jogo agressivo.
E Rafael Nadal desistiu de um jogo contra o 87 do mundo por problemas com o calor. Essa é inédita. Aliás, contra Djokovic na mesma Miami ele já havia sentido algo parecido, mas após quase 3 horas de partida e contra alguém que o consegue superar no físico. Sinal de alerta ligado pro espanhol.


MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo