Djokovic, o Rei da Temporada



Novak Djokovic não é o número 1 do mundo por acaso. Ficou claro na noite deste domingo. Em um jogo super equilibrado e de alto nível, a diferença foram as chances aproveitadas e os momentos importantes. Federer desperdiçou 19 break-points, isso mesmo, só confirmou quatro de 23 chances. Enquanto isso, o sérvio converteu duas oportunidades a mais, o suficiente para sair com a apertada vitória por 6/4 5/7 6/4 6/4.
Para Federer é uma derrota que dói muito mais que a de Wimbledon, onde conseguiu reunir mais oportunidades, jogar um tênis ainda melhor, mas esbarrou na fortaleza mental do sérvio.
As expressões de Miroslava Federer demonstravam tudo. No quarto set era o semblante de “nossa, meu Deus, de novo…”, algo sincero, mas que não ajudaram em nada o marido dentro de quadra. Mesmo com todos os pensamentos negativos, é preciso transmitir positividade pra dentro de quadra, seja marido, mulher, namorado, técnico, preparador físico.
Pela primeira vez o sérvio sai de quadra e não agradece ao público no discurso. Claro, eram mais de 20 mil torcendo contra, querendo que Federer voltasse a triunfar nos Slams.
O lado ruim é que Federer vai se tornando cada vez mais freguês do sérvio em jogos de cinco sets, foi sua terceira derrota seguida em finais de Majors. O lado positivo é que o suíço se motiva ainda mais para tentar na próxima vez. Ele a cada dia joga melhor e mostra seu talento principalmente nas condições mais velozes.
Ficou claro também na decisão que as apimentadas declarações de Boris Becker e rebatidas de Federer quanto ao SABR, o ataque suicida de Roger nas devoluções, fizeram efeito dentro de quadra. Quando a coisa apertou no segundo e terceiro sets, Nole gritava nos erros não-forçados do sérvio. Isso é mais comum entre as mulheres onde se sabe que existe mais animosidade.
Como prêmio pelos três títulos de Slam no ano e quatro finais, Djokovic já garante o número 1 ao fim do ano. Justo. A diferença dele para Federer é de 6,7 mil pontos, algo que Roger só poderia alcançar pra lá do ano que vem.
Cilic fora – O Brasil vira favorito no confronto deste final de semana da Copa Davis com a desistência de Marin Cilic por lesão no tornozelo contraída durante o US Open. Borna Coric vira o número 1 da equipe e enfrenta João Souza, o Feijão no primeiro dia. Ivan Dodig deve ser o segundo simplista do time, um ótimo jogador de simples, mas que no saibro não mete medo nenhum. Por outro lado a responsabilidade cai muito mais no colo de nosso time e de Thomaz Bellucci que vem em boa fase e mais pressionado por conta da fase nada boa de Feijão. Nossa dupla também fica mais favorita já que Cilic seria um potencial jogador para o sábado com Dodig.


MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo