Amor, ódio e confiança



Qualquer vitória na situação em que se encontrava Thomaz Bellucci – com oito derrotas seguidas – era válida. Mas cá pra nós, Lleyton Hewitt está em decadência e não jogava desde o Australian Open. Com todo respeito aos torcedores e admiradores do australiano, ele vem mostrando nos últimos meses falta de ritmo e que a idade – 34 anos – está pesando.
O triunfo da noite deste sábado sim, foi ENORME. Isso mesmo com maiúscula. Diante de um tenista que vive seu melhor momento, é o 21º do mundo, é regular e firme no fundo de quadra, saindo de uma piaba de 6/2 no primeiro set, uma leve torção de pé (ou tornozelo) com perna machucada. Foi uma recuperação fantástica onde muitos imaginavam uma desistência e viram uma grande força mental para suportar o problema físico e o placar adverso.
É mais um capítulo na carreira de altos e baixos de Bellucci que são acentuados pelo seu modo de ser em quadra e consequente imagem já fixada com o torcedor: amor e ódio.
Ficou clarividente neste sábado. Após o primeiro set, a grande torcida brasileira gritava “Volta, Guga!”. No fim do jogo cantaram: “O Campeão voltou!”.
É uma relação que será assim eternamente. Não vejo mudanças para um tenista que atinge a plenitude de sua maturidade. O brasileiro é imediatista e gosta de jogador, atleta que vibre, puxe a torcida, jogue para a galera. E Thomaz faz isso em poucas ocasiões e em alguns momentos mostra apatia. Não que ele não goste da torcida e não seja guerreiro. As provas, pela enésima vez, foram dadas esta noite. A questão é que a personalidade do atleta é assim e o torcedor brasileiro, por cultura, costuma a quem é mais emotivo.
Resta saber se a queda em quadra pode causar algo mais grave quando o brasileiro esfriar os músculos neste domingo. Se estiver tudo bem, com um bom descanso, ele terá uma parada igualmente dura contra os slices e a imprevisibilidade de Aleksandr Dolgopolov, tenista que não dá ritmo, mas é um jogo aberto que vale vaga nas oitavas e o número 1 do Brasil de volta.
Curtinhas:
Bola fora do Sportv ao não mostrar ao vivo o jogo do brasileiro em nenhum de seus três canais. Nem entro nos méritos contratuais e de ibope da emissora que é uma empresa e sabe bem o que é melhor para ela, mas fica uma imagem ruim com o torcedor de tênis brasileiro.
Bellucci pode retomar o número 1 de Feijão na segunda-feira se vencer Dolgopolov. Rivalidade ? Nada! Os dois estão nas duplas em Miami e Feijão aqueceu Thomaz para o jogo contra Cuevas. Sem contas as fotos dos dois aos risos num dos intervalos da prática. Que continue uma rivalidade sadia, um puxando o outro pra cima. É muito positivo para o tênis brasileiro.
Sul-Americano na Bolívia juvenil. Luisa Stefani, que a princípio seguirá carreira no tênis universitário americano, foi a campeã de simples e Gabriel Sidney nas duplas.


  • João Sposito

    Como jjá aconteceu antes inúmeras vezes, quando ninguém espera, Bellucci tem uma vitória maiúscula. Eu sempre espero que numa dessas ele pegue no tranco e atinja a posição que seu jogo merece e que a cabeça muitas vezes não deixa. Ele e o Feijão podem aproveitar este momento inédito de ranking semelhante para fazer uma dupla regular. Acho que podem se dar muito bem.

  • Andre Lyra

    Ótima análise ,uma grande besteira do sportv ,3 canais e não conseguem ter a sensibilidade pra fazer o obivio de passar o jogo do número 1 do mundo ou de um brasileiro !!!!!!

  • Alexandre

    Lamentável e decepcionante a Sportv, entre no face dela e veja a quantidade de pessoas reclamando da não transmissão! Saudade da ESPN!

  • Clovis da Silva

    gostei dos seus comentários, inclusive da pisada de bola do sportv,
    que passou a tarde inteira trnasmitindo os jogos dos estrangeiros e
    a noite preferiu passar volei de praia ao invés do jogo do Bellucci.

  • Thiago

    Sem contas as fotos? Que isso?

  • Mauricio Andrade

    Eu sou um dos poucos que nunca desiste dele. Tem jogador que demora mais a se estabelecer no auge. David Ferrer foi explodir próximo dos 30. Mônaco, o próprio Cuevas e alguns espanhóis idem. Lógico que passo muita raiva vendo seus jogos, não tem como. Algumas melhoras são nítidas em seu jogo desde o final do ano passado, embora os resultados não estejam vindo. Ele agregou o slice e sobe mais a rede. Saque está com mais variedade e a resistência melhorou um pouco. Problema tem sido o mental na maioria dos casos, não só de desistir, mas na escolha dos golpes. Outro problema que o circuito aprendeu a jogar contra ele. Precisa continuar treinando o slice, voleio e jogo de pernas quando bate de esquerda. Retomando a confiança pode chegar tranquilamente no top 50.

    Feijão ainda não tem o tênis do Bellucci, mas seu físico e mental parecem estar em um nível acima.

    Fiquei extremamente irritado com a SporTV. Outra coisa que tem me incomodado é essa troca constante e sem aviso da programação entre SporTV 2 e 3. Ponho pra gravar os jogos e toda hora to perdendo.

  • Romualdo

    Ontem foi um absurdo o que o canal SPORTV fez em não transmitir o grande jogo do Thomaz, acredito que toda a equipe do canal tenha ficado constrangida em dar esse fora, como vocês comentaram e nós amantes do tênis assinamos embaixo.
    Parabéns pela colocação e por pensarmos igualmente.

  • Caio

    A transmissão do sportv é realmente uma PORCARIA, uma pena eles terem o direito de transmissão, porque a ESPN acaba com esse canalzinho em todos os sentidos!!!

  • OSCAR

    Apesar dos tropeços constantes, seus altos e baixos, continuo torcendo pelo Belucci. Fico desanimado com sequencia de resultados ruim mas feliz e esperançoso quando se consegue boas vitórias como a atual. Continuo a acreditar que ele tem potencial técnica com bons golpes e um excelente saque (quando consegue regularidade nesses golpes). O seu jeito introvertido faz transparecer ao público, principalmente os brasileiros, que ele não tem vibração emoção mas acho equivocado pois ninguém mais que ele quer ganhar, ter mais projeção, sucesso e reconhecimento dos amantes ou não do tênnis! Se ele não tem o carisma do GUGA, temos que compreender a personalidade dele e continuarmos apoiando-o mesmo nos períodos de dificuldades.

  • OSCAR

    O jogo contra o Dolgolopov infelizmente foi mais um desses de deixar o torcedor desesperado pois tinha tudo para sair vitorioso e assim poderia ter enfrentado nada mais que o Djokovic na cancha central do Miami Open. Prefiro assistir os jogos do Belucci não ao vivo (gravados) pois assim, sabendo já o resultado, evito ficar estressado.

MaisRecentes

Laver Cup faz história e dá um tapa na cara da Davis. E Bia Maia muda seu patamar no circuito



Continue Lendo

Nadal no Olimpo



Continue Lendo

O enorme coração de Del Potro



Continue Lendo