Murreu!



Como que algum tenista com dois títulos de Grand Slam e outras cinco finais disputadas anteriormente e 31 títulos na bagagem pode simplesmente culpar a derrota em uma final de Grand Slam pela distração que teve pelo adversário aparentar um tipo de problema físico ? 

É muito mais uma tentativa de desculpa para evitar falar o que se notou claramente neste domingo. Novak Djokovic tem vários degraus acima dele na parte física e no mental – não só dele como para quase 100% do circuito. Mais cedo ou mais tarde, com a partida caminhando parelha como estava, esses aspectos iriam pesar.
O que Murray deve mais lamentar é ter errado um voleio no 5 a 5 no tie-break do primeiro set e não ter convertido a vantagem de 2/0 que tinha na terceira etapa. Esse papo de ter se distraído porque o adversário parecia mal em quadra me soa um tanto amador para a rodagem que possui.
Tinhamos uma final épica que poderia entrar para a história, mas por conta da falta de físico – que Murray insiste em negar -, acabou tendo um desfecho muito abaixo, derrubando as expectativas de todos.
É bom que notemos. Não é a primeira vez que isso acontece com Murray contra Djokovic. Em 2013 na final da Austrália foi smilar assim como ano passado no US Open. Depois de dois sets brigados e longos, com muitos rallies, ele não aguenta o tranco. É histórico. Sim, temos que fazer uma ressalva. A final do US Open de 2012 ele venceu no 5º set, mas liderava por 2 sets a 0 e por pouco não entregou a rapadura onde dominava Djokovic.
O que é certo. Djokovic x Murray, que jogaram a 5ª final de Slam, faziam e quase sempre fazem partidas excelentes. Estilos parecidos e uma batalha campal para ganhar cada ponto. O nível foi muito alto por dois sets e meio, com winners, jogadas espetaculares. Numa batalha sempre o mais forte vence e Djokovic reuniu as qualidades para tal.
O sérvio caminha cada vez mais para ser o Rei da Austrália. Recuperou seu trono, já é o maior campeão da Era Aberta (desde 1969) e está a um de Roy Emerson, maior vencedor. Para ele é o Slam ideal pela velocidade do piso que este ano até deixaria as condições mais complicadas por ter ficado um pouco mais veloz.
Agora a meta de Djokovic é Roland Garros e Rafael Nadal está na mira. Ele sempre é um forte candidato. Resta saber novamente como Nadal irá chegar. Se a Austrália é o habitat para Nole, Paris é muito mais que a sala de estar do espanhol.
Curtinhas:
Impressionante como Djokovic canalizou pelo lado positivo a vida paterna. Desde outubro, quando virou papai, venceu Paris, o ATP Finals e agora na Austrália.
Apesar da derrota na final, Murray mostra uma baita evolução no começo deste ano em relação a 2014. Volta a formar o Big Four (com Nadal, Djokovic e Federer) de fato e de direito no ranking e tende a estar nas cabeças para os grandes títulos exceto no saibro onde precisa de muitos ajustes.


MaisRecentes

Nem sempre se pode ganhar todas



Continue Lendo

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo