A preocupante situação de Del Potro. Copa Davis ? Nem pensar…



Juan Martin Del Potro está fora do Australian Open. Depois de uma animadora campanha em Sydney, batendo Fabio Fognini e parando nas quartas, o punho esquerdo mais uma vez acusou, as dores se intensificaram e foi prudente a decisão de não jogar em Melbourne e arriscar em pesados jogos de cinco sets para uma longa temporada.

Em coletiva de imprensa o tenista soltou a letra ao dizer em coletiva de imprensa dando claramente a entender que não jogará a Copa Davis contra o Brasil em Buenos Aires, no começo de março.
“Ainda não sei (sobre quando retorno), estou fazendo tratamento. Vou ver meu médico de novo. Espero voltar a jogar muito em breve, nos torneios nos Estados Unidos”. 
A escolha do capitão argentino Daniel Orsanic pelo saibro, depois de várias semanas de adiamento, já levaram a crer que a participação do argentino seria difícil. Com o retorno das dores, seria uma surpresa imensa se mudasse de ideia.
As lesões de Del Potro me lembram um pouco a difícil história de Gustavo Kuerten que passou por três cirurgias (duas divulgadas oficialmente e outra negada até a publicação de seu livro ano passado) com suas idas e vindas no circuito. Óbvio que cada história teve sua característica – Del Potro, por exemplo, não foi número 1 e tampouco ganhou três Grand Slams – mas também teve seus problemas acentuados um pouco mais jovem que o brasileiro.
Um grande talento que traz um estilo ímpar, brilho e humildade ao esporte e que não teme a cúpula que domina o circuito.
Certamente ele não quer incorrer ao erro passado de forçar para piorar um problema, mas de fato é preocupante que após onze meses de recuperação e sem competição, os mesmos problemas tenham retornado e intensificado com três partidas em competição. Por mais que Delpo esteja positivo, o cenário não é nada bom e o tênis só perde.


MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo