Farofada com classe



Sabe aquele churrasco de amigos com amigo (ou inimigo!) oculto, aquela festa de fim de ano da empresa onde até o chefe precisa pagar um mico e algo semelhante ?

 

É mais ou menos esse meu sentimento sobre a International Premiere Tennis League. É uma farofada bem divertida e com classe. Colocam todo mundo para jogar, todos misturados em simples, dupla, dupla mista, jogo de veteranos, com regras inovadoras e confusas aos olhos da tradição do esporte e aos fãs que assistem de início. Onde no meio do jogo o capitão pode substituir um atleta, chamar o tempo técnico.

É uma brincadeira e confraternização dos tenistas de fim de ano, mas sim, brincadeira séria. Todos jogam pra ganhar, afinal tem grana (e muita!) envolvida, e obviamente todo mundo que está lá recebeu um cachê.

É bastante interessante se ver o Shot Clock de 20 segundos, como na NBA, apitando quando o tempo está por se esgotar ao sacador. Se ele extrapola o limite, perde o ponto. Imagina Nadal, Djokovic e Sharapova jogando com essa regra no tênis convencional ? Difícil que passe no momento atual do tênis, quem sabe em alguns anos e com ajustes. Quer ver ? Sharapova não gostou nada quando cometeu essa falta e foi punida em sua estreia no IPTL.

Na minha visão, esta regra não traria nenhum benefício ao esporte, principalmente nos longos jogos do masculino onde a intensidade física é muito alta, ainda mais nos pisos mais lentos. Tênis não está associado à ser o mais veloz mesmo que por isso perca espaço na grade de TV.

O que mais gostei é o Shoot-Out, ou seja, quando empata em 5/5 há um tie-break comum (sem troca de lados) com cinco minutos. Quem fizer mais pontos ganha e se empatar no tempo determinado o vencedor do próximo ponto leva. Bem dinâmico e que se adequa à regra do Shot Clock, ou seja, não dá espaço para quem faça a famosa cera. E também o Power-Point, o ponto em dobro a ser escolhido pelo devolvedor uma vez a cada set. Quem sabe podem ser testadas em duplas e duplas mistas num futuro próximo com ajustes.

Em suma. A competição é agradável e uma grande confraternização que traz umas boas ideias pro futuro. Mas será que tem futuro ? Conversei ano passado com Scott Davidoff, técnico de Bruno Soares e um dos organizadores. Ele me disse que o evento deveria ter começado em 2013, mas por falta de patrocínio foi adiada para 2014. É necessária uma verba muito alta para se manter o evento. É uma novidade, pelos comentários aqui no Brasil que já escutei, os fãs estão gostando, mas será preciso que o caminhão de grana dos patrocinadores siga bem colado pois a competição só se faz ter visibilidade pelas estrelas que jogam.

O que você achou, caro leitor ? Gostou ? Opine!

Deixo aqui um link com as regras 

 

 



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo