Pouca emoção e um grande favorito



Começou o ATP World Finals no domingo e tivemos nesta segunda-feira o complemento da primeira rodada. E os jogos de simples deixaram muito a desejar, perderam de longe em emoção e qualidade para os jogos de duplas.

A primeira partida foi marcada por um péssimo início, cheio de erros não forçados e um Murray naquela preguiça que chega da dar raiva até mesmo em seus fãs. Quando Nishikori tirou o peso do nervosismo de uma estreia numa competição desse porte, conseguiu ser agressivo suficiente para dominar e fechar mesmo com um vacilo no fim.
Roger Federer também viu um rival nervoso, sem ir bem no saque no primeiro set e viu Raonic não capitalizar suas chances na segunda etapa para vencer um tie-break onde não deu para entender a baixa de intensidade e precisão do canadense.
Nesta segunda-feira nem se fala a improdutividade de Tomas Berdych e Milos Raonic errando demais e sendo amplamente dominados. Gostei muito da atuação de Stan Wawrinka, parecia aquele tenista do Australian Open e de Monte Carlo. Talvez ter chegado sem badalação em Londres pode ter feito bem para o suíço que jogando dessa forma é muito perigoso até mesmo para Novak Djokovic.
Vejo o sérvio com boa vantagem diante de seis dos sete concorrentes e um tantinho a frente de Federer no favoritismo pelo título. Hoje devolveu muito bem, anulou o saque de Cilic e está com muita confiança. Vai ter que baixar significativamente o nível para não levar o tetracampeonato.
Espero que na segunda fase os estreantes se soltem e o torneio ganhe fôlego nas simples. Foi quase que deprimente esses dois primeiros dias.
Nas duplas o Brasil começou muito bem. Destaque para Marcelo Melo e Ivan Dodig que foram precisos derrotando justo uma dupla que venceu o torneio duas vezes e é a segunda do mundo – Daniel Nestor e Nenad Zimonjic. O que é melhor, ganharam em dois sets o que ajuda num desempate pela classificação caso seja necessário. Bruno Soares e Alexander Peya, que vinham de quatro derrotas seguidas, tiraram as toneladas de tijolos das costas vencendo uma dura batalha num confronto crucial na primeira fase. Agora pegam os surpreendentes Kubot/Lindstedt que bateram os irmãos Bryan.


MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo