Pouca emoção e um grande favorito



Começou o ATP World Finals no domingo e tivemos nesta segunda-feira o complemento da primeira rodada. E os jogos de simples deixaram muito a desejar, perderam de longe em emoção e qualidade para os jogos de duplas.

A primeira partida foi marcada por um péssimo início, cheio de erros não forçados e um Murray naquela preguiça que chega da dar raiva até mesmo em seus fãs. Quando Nishikori tirou o peso do nervosismo de uma estreia numa competição desse porte, conseguiu ser agressivo suficiente para dominar e fechar mesmo com um vacilo no fim.
Roger Federer também viu um rival nervoso, sem ir bem no saque no primeiro set e viu Raonic não capitalizar suas chances na segunda etapa para vencer um tie-break onde não deu para entender a baixa de intensidade e precisão do canadense.
Nesta segunda-feira nem se fala a improdutividade de Tomas Berdych e Milos Raonic errando demais e sendo amplamente dominados. Gostei muito da atuação de Stan Wawrinka, parecia aquele tenista do Australian Open e de Monte Carlo. Talvez ter chegado sem badalação em Londres pode ter feito bem para o suíço que jogando dessa forma é muito perigoso até mesmo para Novak Djokovic.
Vejo o sérvio com boa vantagem diante de seis dos sete concorrentes e um tantinho a frente de Federer no favoritismo pelo título. Hoje devolveu muito bem, anulou o saque de Cilic e está com muita confiança. Vai ter que baixar significativamente o nível para não levar o tetracampeonato.
Espero que na segunda fase os estreantes se soltem e o torneio ganhe fôlego nas simples. Foi quase que deprimente esses dois primeiros dias.
Nas duplas o Brasil começou muito bem. Destaque para Marcelo Melo e Ivan Dodig que foram precisos derrotando justo uma dupla que venceu o torneio duas vezes e é a segunda do mundo – Daniel Nestor e Nenad Zimonjic. O que é melhor, ganharam em dois sets o que ajuda num desempate pela classificação caso seja necessário. Bruno Soares e Alexander Peya, que vinham de quatro derrotas seguidas, tiraram as toneladas de tijolos das costas vencendo uma dura batalha num confronto crucial na primeira fase. Agora pegam os surpreendentes Kubot/Lindstedt que bateram os irmãos Bryan.


MaisRecentes

Zverev tem tudo, mas ainda falta muito. Estranho, não ? 



Continue Lendo

Nem sempre se pode ganhar todas



Continue Lendo

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo