O jogo força de Tsonga



Eram catorze quinze meses sem ganhar de um top 10, desde as finais de Roland Garros de 2013, nove derrotas seguidas para tenistas desta estirpe. Sim, a lesão no joelho sentida entre Wimbledon e a temporada americana de verão há um ano ajudou e a confiança de Jo Tsonga foi para o buraco. Como o ranking não mente (na maioria dos casos), o Mohammed Ali do tênis caiu e ficou como um mero coadjuvante por uma temporada inteira.

Eis que esta semana os “socos” do francês voltaram a machucar. Sim, isso mesmo, socos, pancadas, um jogo atlético, de muita força, pancadas, saques e direitas demolidoras. Ele não só quebrou a sequência amarga contra top 10 como venceu quatro de forma consecutiva e venceu dois dos três melhores do ano, Novak Djokovic e Roger Federer.

Como disse anteriormente, o torneio canadense estava aberto, assim como estará Cincinnati e promete ficar o US Open. As condições velozes, de todos os torneios (deste grupo nessa época apenas Montreal, que ficou fora esse ano pela alternância de sedes), ajudam os sacadores e Tsonga aproveitou e muito para sair da penumbra e virar mais um no foco.

Notável que Federer esteja seguidamente perdendo finais. Perdeu todas de Masters 1000 (Indian Wells, Monte Carlo e Toronto) e em Wimbledon. Falta um passo. Uma hora ele quebra essa série. Mas que deve estar chateado, isso está.



MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo