A Davis no sangue



Rogerinho não jogou o seu melhor. Esteve aquém de sua melhor capacidade. Mas isso é o que menos importa. Tomado por uma grande pressão por uma equipe sem o segundo titular e com uma dupla com dois tenistas que raramente jogam simples para um possível quinto e decisivo jogo, foi lá, venceu e deu a classificação ao Brasil aos playoffs do Grupo Mundial pra setembro.

Rogerinho cada vez mais se consolida como um jogador de Copa Davis, decisivo para o Brasil, principalmente em duelos no piso lento. Dos quatro confrontos, só perdeu jogos em um deles, no piso rápido e coberto da Alemanha.

Agora é contar com um bom sorteio e duelo em casa para que possamos escolher as melhores condições. Apesar da vitória, o duelo contra o Equador só serviu para escancarar mais uma fraqueza do time brasileiro que é o físico de nosso número 1, Thomaz Bellucci. Ou seja, todos os países sabem que, se tiverem o Brasil em casa, podem escolher ou uma condição bem rápida ou então um saibrão em local com calor para dificultar nossa vida. A torcida segue para que Bellucci evolua, mas pelo que se sabe ainda não há uma solução concreta e o problema é cada vez mais latente em 2014.

Nesta segunda se definem as oito possibilidades de confrontos e volto aqui para discutir o que é melhor e pior. O ranking da Copa Davis é bastante complicado para se ter uma precisão de quem pode vir pela frente.

Pela primeira vez na história do Grupo Mundial, três dos quatro confrontos de quartas terminaram no 5º e último jogo. Um final de semana agitado com a fome da Suíça pelo título com Stanislas Wawrinka e Roger Federer. A equipe encara a Itália e é a favorita jogando em casa. A República Tcheca, mesmo sem Berdych, teve sorte com a ausência de Nishikori e venceu seu décimo duelo seguido e promete um confronto equilibrado na França, isto se Berdych disputar a competição. Tomas prometeu jogar menos o torneio para salvar sua parte física.

Curtinhas:

Destaque para a semana de Teliana Pereira conseguindo sua maior vitória, sobre Sorana Cirstea, 27ª do mundo, e com vaga garantida em Roland Garros que abre lista para as 108 primeiras classificadas (ficará perto do top 90 e sem pontos a defender até a lista sair na semana do dia 14).



MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo