Ficou dramático



O confronto diante do Equador, que em tese mostrava um bom favoritismo para o Brasil, não só ficou perigoso como também dramático após a lesão na virilha e desistência de Guilherme Clezar que substitui Thomaz Bellucci.

Rogerinho Silva não jogou bem, errou bastante, mas venceu – isso é o que importa – e em tese terá pressão total para seu jogo de domingo contra o melhor equatoriano Emilio Gomez. Nossa dupla é totalmente favorita e só um desastre ou alguma outra lesão sobrenatural para que nos tire esse ponto.

Com a opção do capitão em levar a dupla, qualquer problema físico no primeiro dia faz com que um dos duplistas seja sacrificado para jogar no domingo sendo que ambos raramente jogam simples. E aí surge um grande problema para o time. Lembro só que não se pode substituir nenhum dos quatro tenistas escalados.

Neste caso específico do duelo contra o Equador não vou culpar o capitão João Zwetsch. As opções realmente eram escassas. Para quem não sabe, João Souza, o Feijão, voltava de uma lesão no abdômen onde ficou cerca de um mês parado e de certa forma seria um risco levá-lo para jogar cinco sets e em condições bem lentas onde não costuma render seu melhor tênis. Então Clezar se tornou a opção adequada com o risco apenas da falta de experiência. Mas o imprevisto surgiu, a preocupação que a princípio parecia ser mental ganhou outras dimensões e o confronto já ganha contornos dramáticos.

Falando em problemas, os confrontos do Grupo Mundial ficaram bem interessantes depois desta sexta. Se esperava um atropelo da Suíça, mas Wawrinka voltou a ser aquele Wawrinka dos últimos anos, sentiu a pressão e perdeu para Andrey Golubev e deixou o duelo mais apertado e com a dupla como decisiva e equilibrada. A Alemanha com três desfalques veio com o Time B e fez 2 a 0 em plena Nancy contra a França que só não tem Richard Gasquet. Não entendi a opção por Julien Benneteau em simples. Históricamente ele não lida bem com jogos de pressão – é só ver seu retrospecto em finais. E Tsonga vem em má fase. Situação delicada para quem tinha o duelo como fácil. E a Itália x Grã-Bretanha já teve emoções nesta sexta e terá mais com o duelo adiado de Murray, partida de duplas e um domingo que promete.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo