Duro golpe para Del Potro. Calor que ajuda e atrapalha



Mais um duro golpe na carreira de Juan Martin Del Potro. A história se repetiu. Em sua melhor fase da carreira o punho confessou. Agora foi o esquerdo e não o direito como ocorreu em 2009. Ele passa nesta segunda-feira por uma nova cirurgia e a probabilidade é que fique parado até 2015 e sendo otimista retorno no final desse ano.

Será mais uma prova para o argentino, que digo e repito, só ainda não chegou mais longe – e quando digo isso é conquistar mais Grand Slams e até lutar pelo Nº 1 – por conta de sua fragilidade física perante os demais.

É um duro golpe para o tênis que vive uma fase de transição, com a soma de novas forças florescendo e deixando o circuito mais competitivo. Outro sintoma do calendário extenso e sacrificante para os tenistas que cada vez convivem com problemas físicos.

Del Potro tem 25 anos e até o retorno já terá 26, ainda jovem para poder trilhar o caminho de sucesso como já fez. Terá que remar tudo de novo – recuperação, fisioterapia, retorno aos treinos passo a passo, retorno aos torneios e evolução nos resultados. Não podemos esperar que Delpo retorne como Nadal, vencendo tudo logo de cara. Como em todo histórico de sua carreira, suas evoluções sempre são mais lentas. Mas o seu coração e amor ao esporte dão indícios de que sem dúvida ele vai buscar tal objetivo.

Copa Davis – Falando em lesão, João Souza, o Feijão, retornou aos treinos na semana passada após problemas no músculo oblíquo do abdômen. Só volta a jogar a partir do dia 7 de abril. Mais uma vez não estará apto para jogar a Copa Davis. Sendo assim, o time convocado esta semana deverá ser Thomaz Bellucci, Marcelo Melo, Bruno Soares, Rogério Silva ou Guilherme Clezar para enfrentar o Equador em Guayaquil.

Falando em Copa Davis um comparativo interessante com a Fed Cup que teremos duas semanas depois. As meninas querem o calor, querem fritar as suíças e optaram pela pequena cidade de Catanduva (SP). Elas gostam destas condições. Os meninos, nosso maior tenista, Thomaz Bellucci, não curte essa situação e terá que jogar nos 30º C ao nível do mar em Guayaquil (pelo menos a previsão de temperatura é essa para os próximos dias). Dado o histórico de Bellucci – exacerbado esse ano -, sempre é um risco se jogar uma Copa Davis sem uma terceira opção para simples.

Fim do jejum no Banana Bowl – Muito legal chegar ao fim de jejum de 33 anos do Banana Bowl, mais tradicional torneio juvenil do país com a conquista de Orlando Luz, de apenas 16 anos.

O torneio perdeu um pouco em nível nos últimos anos ao cair de um GA para um G1, mas segue trazendo vários dos melhores do mundo com a possibilidade de abrir portas para os jovens do país.

Que Orlando Luz tenha os pés no chão e siga trabalhando para confirmar o rótulo de promessa após tal conquista. A pressão agora aumenta.

 

 



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo