A chance de Federer



O post de hoje será curto. Afinal será redundante dizer falar das táticas de Federer x Nadal, algo que já comentei umas 30 vezes, e dizer também que Federer voltou a jogar aquele tênis dos bons tempos. Só reafirmar que está dando gosto de ver o suíço em ação jogando em um nível altíssimo e usando muito bem as subidas à rede, escolhendo ir na hora certa, e com uma movimentação, jogo de pernas, e confiança como há muito não se via.

Desde o fim de 2012 que Federer não batia um top 4. É significativo para ele e mais ainda o fato de ter vencido da forma que foi com os altos e baixos de emoções no terceiro e quarto sets um jogador como Andy Murray que trabalha mais o ponto, que exige mais nas trocas e no físico do que Tsonga por exemplo.

Na próxima sexta Federer tem uma grande chance de colocar um fim em qualquer tipo de dúvida que ainda possa surgir sobre o seu retorno. Chega novamente como um underdog (zebra) dessa vez contra seu maior rival – Rafael Nadal. Além da confiança, o bom momento e o fator de jogar sem pressão, terá um rival que evoluiu muito no saque no piso duro, mas que vem servindo abaixo do que pode por conta da bolha na mão e consequentemente afetando seu jogo como um todo.

Se fosse colocar um favorito é claro que seria Nadal pelo retrospecto total, recente e até em Slams (Federer não o vence em Majors desde Wimbledon 2007!), mas clássico é um clássico e Federer está na ponta dos cascos novamente.

Do jeito que esse Australian Open está, com várias mudanças de curso, não seria nada surpreendente uma vitória de Roger. É bom que ele acredite e muito. Temos tudo para ter uma batalha daquelas, diga do clássico.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo