Quali da Austrália ou Aberto de São Paulo ?



Chega o fim do ano e a dúvida sempre martela o tenista que está pouco depois dos 100 até os 250 do mundo. Jogo o Aberto de São Paulo ou o quali do Australian Open ?

A dúvida aumentou em especial este ano pelo atraso no tradicional evento paulista, que com alguns problemas nos patrocinadores, demorou a pagar o valor pedido pela ATP e só apareceu no fim de novembro no calendário e só entrou no último final de semana como um torneio similar ao ano passado de premiação (US$ 125 mil + H).

O Aberto de SP larga no dia 30 de dezembro e dará 125 pontos ao campeão. Contudo o torneio termina no domingo e o quali na Austrália começa na quarta-feira. O jogador que alcança as finais da competição chega em cima do lance e com 13h de fuso para poder se adaptar em talvez nenhum dia.

A questão do preço das passagens é outro fator. Em uma pesquisa em sites de voos pela internet, os preços para se viajar até o sábado, dia 4 de janeiro, ficam um pouco acima dos R$ 5 mil. Quem sai no domingo, dia 5, teria que pagar 5x mais, ou seja, US$ 12 mil, em torno dos R$ 25 mil. Marcando o voo para segunda, dia 6, o atleta não chega a tempo de jogar o quali na Austrália.

Por conta da distância e consequentes desistências, o quali da Austrália pode ser considerado o menos difícil de ser passado – em alguns anos a fase prévia fechou acima dos 300 no ranking. Mesmo assim nunca é fácil passar um quali de Slam e a dificuldade é maior em comparação com a lista de jogadores que temos no Aberto de São Paulo.

Imagine o atleta desembolsando o valor acima (fora a hospedagem) para disputar um torneio apenas ? Péssimo se ficar pelo caminho, porém muito bom se furar o quali com os US$ 30 mil ganhos da chave principal, fora a exposição de mídia e confiança que pode ganhar se seguir avançando na competição.

Na minha concepção, o ideal seria disputar os qualies da primeira semana, em Brisbane (em 2013 o último aceito foi o número 209 e em 2012 jogadores de duplas atuaram), mas seria preciso um planejamento diferente para a pré-temporada, tendo que viajar para a Austrália em torno do dia 22, 23 ou 24 de dezembro. Só que a maioria dos tenistas do Brasil iniciariam a pré agora em dezembro e o trabalho de base e preparo dura em torno de três semanas, ou seja, bem complicado.

A dúvida é grande e o risco também. É mais fácil o tenista ficar acomodado em São Paulo, somar os pontos em um torneio menos difícil, ganhar pouca grana, mas evitar gastar muito.

Curtinhas:

Thomaz Bellucci tomou o risco de não jogar SP e ir direto para a Austrália somente pro quali de Melbourne. Rogério Dutra Silva e João Souza, o Feijão, a princípio jogam SP e o quali na Austrália e Guilherme Clezar ainda depende de um problema na passagem para a Oceânia para tomar sua decisão.

Mudando de assunto. A ATP elegeu a virada de Rogerinho sobre Vasek Pospisil no US Open como a QUARTA MAIOR de toda a temporada. O brasileiro salvou sete match-points, o maior número desde a vitória de Vincent Spadea sobre Florent Serra em Roland Garros 2004.

 



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo