São Paulo é o torneio mais veloz do mundo



Pelo segundo ano consecutivo a quadra do ATP de São Paulo, o Brasil Open, ficou com o prêmio como a mais veloz de todos os mais de 60 torneios do circuito. O torneio no Ibirapuera supera eventos como Wimbledon, Xangai, Paris, entre outros.

O estudo é comprovado por números no blog Heavy Top Spin no link ao lado http://heavytopspin.com/2013/11/19/the-speed-of-every-2013-surface/ com a base calculada por saque e devolução, a média do número de aces que cada evento proporcionou.

Apesar de ser jogado no saibro, algumas variáveis são determinantes para que a capital paulista seja o evento mais veloz do circuito. A altitude da capital paulista, o piso coberto, único saibro coberto do mundo, e é claro as bolas, apelidadas de bolas de supermercado que voam pelo staff de Fabio Fognini e muito criticadas durante toda a competição.

O cálculo mostra que São Paulo teve 74% a mais de número de aces do que a superfície neutra na temporada e a média os últimos três anos de maior incidência de saques indefensáveis é de 58% acima da média normal. Em 2012 o torneio paulista havia ficado no topo do ranking com 58%.

O torneio vem bem a frente do ATP de Marselha que soma na média 30% a mais de efetividade do serviço, um tantinho a frente de dois eventos na grama, o ATP de Halle e o Grand Slam de Wimbledon com 25 e 24% a mais. Um torneio vencido duas vezes por Thomaz Bellucci, em Gstaad, na Suíça, com 16% a mais na média. Em 2013 ela ficou 35% e no ano do troféu de Bellucci, em 2012, por exemplo, ficou cerca de 10 % abaixo da média.

A superfície do ATP World Finals ficou 11% acima em 2013 e nos três maiores anos fica exatamente como um piso neutro para a efetividade do saque.

A quadra mais lenta de todas segue sendo Monte Carlo com 33% abaixo da média, mas em 2013 perdeu para Bastad, na Suécia, que ficou com 42% e Nice, na França com 36. O torneio de piso duro mais lento de todos é Indian Wells, seguido por Miami.

O único buraco no estudo é não levar em conta a característica dos jogadores do torneio. Obviamente os eventos com John Isner, Kevin Anderson e Ivo Karlovic sempre dão um toque diferencial para tais números.

Abaixo o ranking dos torneios. O piso neuro é o 1.00, acima de um é a percentagem acima do normal e abaixo é a percentagem abaixo do normal. A superfície de monte Carlo com 0.67 ficou com 33% a menos do habitual. O C, H e G referem a Clay (saibro), H (dura) e G (grama). O ranking abaixo contabiliza a média dos três anos com maior média de saques indefensáveis.

Confira os torneios e o ranking dos pisos:

Torneio / Piso / Média 2010 / 2011 / 2012 / 2013 / Média Maiores 3 anos

1 – São Paulo C 1.44 1.08 1.58 1.74 1.58
2 – Marselha H 1.09 1.24 1.41 1.26 1.30
3 – Halle G 1.20 1.39 1.26 1.20 1.25
4 – Wimbledon G 1.36 1.18 1.24 1.25 1.24
5 – Xangai H 0.96 1.05 1.08 1.37 1.22
6 – Montpellier H 1.28 1.40 1.16 1.21
7 – Brisbane H 1.01 1.20 1.08 1.27 1.19
8 – Tóquio H 1.35 0.98 1.17 1.26 1.18
9 – Gstaad C 0.87 1.13 0.90 1.35 1.16
10 – W. Salem H 1.20 1.10 1.18 1.16

11 – Chennai H 0.75 0.77 1.21 1.25 1.16
12 – Valencia H 1.02 1.10 1.12 1.19 1.15
13 – Zagreb H 1.09 1.16 1.20 1.11 1.15
14 – Washington H 0.96 0.93 1.34 1.10 1.15
15 – Vienna H 1.42 1.22 1.01 1.19 1.14
16 – Santiago C 1.23 1.21 0.86 1.29 1.13
17 – Sydney H 1.08 1.14 0.94 1.25 1.13
18 – Atlanta H 0.92 0.82 1.06 1.26 1.12
19 – Eastbourne G 1.07 1.13 0.92 1.22 1.11
20 – Queen’s Club G 1.07 1.13 1.09 1.12 1.11

21 – Paris H 1.38 0.97 1.16 1.12 1.11
22 – Cincinnati H 1.09 1.02 1.08 1.13 1.10
23 – s-Hertogenbosch G 1.13 1.08 1.03 1.15 1.10
24 – Auckland H 1.01 1.08 1.06 1.12 1.09
25 – Memphis H 1.08 1.12 0.95 1.09 1.05
26 – Stuttgart C 1.09 1.05 1.04 1.06 1.05
27 – Bogota H 1.09 1.05
28 – Rotterdam H 0.88 1.21 0.83 1.12 1.04
29 – Stockholm H 0.93 0.96 1.15 0.99 1.04
30 – Basel H 0.98 1.05 1.16 0.96 1.04

31 – Bangkok H 1.20 1.12 0.73 1.19 1.03
32 – Australian Open H 0.98 1.10 0.92 1.08 1.03
33 – US Open H 1.14 0.93 1.06 1.04 1.03
34 – San Jose H 1.21 1.23 0.96 0.99 1.02
35 – Moscow H 1.28 1.12 1.01 0.99 1.02
36 – Dubai H 1.13 1.07 1.14 0.92 1.02
37 – Doha H 0.88 1.29 0.90 0.98 1.00
38 – ATP Tour Finals H 1.07 0.93 0.87 1.11 1.00
39 – Beijing H 1.01 1.01 1.06 0.94 0.99
40 – Canada H 0.99 1.02 1.04 0.95 0.99

41 – Madri C 0.76 0.86 1.19 0.89 0.98
42 – Kitzbuhel C 1.12 0.70 1.12 0.98
43 – Metz H 1.14 0.96 1.07 0.90 0.97
44 – Dusseldorf C 0.92 0.96
45 – Munich C 0.77 0.82 0.91 0.97 0.92
46 – St. Petersburgo H 1.02 0.84 0.86 0.99 0.92
47 – Acapulco C 0.88 0.89 1.06 0.84 0.92
48 – Delray Beach H 0.98 1.07 0.92 0.85 0.91
49 – Newport G 1.46 0.72 1.04 0.89 0.91
50 – Kuala Lumpur H 0.96 0.97 0.81 0.94 0.90

51 – Miami H 0.91 0.98 0.86 0.89 0.89
52 – Umag C 0.56 0.74 0.67 1.04 0.87
53 – Hamburg C 1.04 0.85 0.75 0.92 0.85
54 – Buenos Aires C 0.84 0.86 0.93 0.74 0.82
55 – Indian Wells H 0.92 0.90 0.86 0.77 0.82
56 – Roland Garros C 0.82 0.86 0.81 0.78 0.81
57 – Barcelona C 0.73 0.65 0.91 0.78 0.80
58 – Casablanca C 0.82 0.91 0.77 0.75 0.79
59 – Estoril C 0.62 0.73 0.79 0.71 0.74

60 – Houston C 0.85 0.71 0.71 0.77 0.74
61 – Bucareste C 0.61 1.08 0.62 0.68 0.73
62 – Rome C 0.78 0.67 0.64 0.81 0.73
63 – Nice C 0.88 0.84 0.79 0.64 0.72
64 – Bastad C 0.93 0.74 0.86 0.58 0.70
65 – Monte Carlo C 0.63 0.60 0.71 0.67 0.67



  • PODIA SER MAIS CLARO NAS EXPLICACOES, POIS DA MANEIRA QUE FOI EXPLICADO SO OS MAIS ENTENDIDOS DE TENIS CONSEGUEM ENTENDER, ADORO TENIS , VEJO MUITOS JOGOS E NAO ENTENDI BEM A EXPLICACAO.

    • Fabrizio Gallas

      Fernando,

      O torneio foi considerado o mais rápido porque foi o com maior número de aces de média nos jogos em todos os outros eventos. Se faz um parâmetro médio e o evento ficou 74% acima na média do ano e 58% na média dos três dos quatro últimos anos.

  • Ricardo

    Na pratica o que acontece, é que os jogos ficam chatíssimos. Fui assistir as semis e nem Nadal conseguiu proporcionar um bom espetáculo. Em relação ao apelido das bolas, é a mais pura verdade. São bolas vendidas no Carrefour. Um lixo para o tenis profissional!

  • Carlos

    O Brasil Open 2013 foi espetacular contando com a presença de nomes como Rafael Nadal, David Nalbandian, J. Chardy, Nicolas Almagro, Juan Monaco , Tommy Robredo,Fabio Fognini, Pablo Andujar , Alex Peya alem dos brasileiros T. Bellucci, Bruno Soares, Marcelo Melo,Andre Sa,Feijão e Guilherme Clezar. Teve a despedida do Ricardo Mello e o Nadal jogando duplas com o Nalbandian.

    Para quem não gosta de Carnaval como eu, o programa da semana não poderia ser melhor.

    Que venha 2014!

  • Claudio

    Pois é, o Federer deveria considerar seriamente a possibilidade de jogar em SP. As chances dele ganhar seriam grandes!!! Apesar de ser no saibro. Não é a toa que ele já ganhou Madrid no saibro mais de uma vez (inclusive o azul), lá também as condições são parecidas com SP.

MaisRecentes

Laver Cup faz história e dá um tapa na cara da Davis. E Bia Maia muda seu patamar no circuito



Continue Lendo

Nadal no Olimpo



Continue Lendo

O enorme coração de Del Potro



Continue Lendo