São Paulo é o torneio mais veloz do mundo



Pelo segundo ano consecutivo a quadra do ATP de São Paulo, o Brasil Open, ficou com o prêmio como a mais veloz de todos os mais de 60 torneios do circuito. O torneio no Ibirapuera supera eventos como Wimbledon, Xangai, Paris, entre outros.

O estudo é comprovado por números no blog Heavy Top Spin no link ao lado http://heavytopspin.com/2013/11/19/the-speed-of-every-2013-surface/ com a base calculada por saque e devolução, a média do número de aces que cada evento proporcionou.

Apesar de ser jogado no saibro, algumas variáveis são determinantes para que a capital paulista seja o evento mais veloz do circuito. A altitude da capital paulista, o piso coberto, único saibro coberto do mundo, e é claro as bolas, apelidadas de bolas de supermercado que voam pelo staff de Fabio Fognini e muito criticadas durante toda a competição.

O cálculo mostra que São Paulo teve 74% a mais de número de aces do que a superfície neutra na temporada e a média os últimos três anos de maior incidência de saques indefensáveis é de 58% acima da média normal. Em 2012 o torneio paulista havia ficado no topo do ranking com 58%.

O torneio vem bem a frente do ATP de Marselha que soma na média 30% a mais de efetividade do serviço, um tantinho a frente de dois eventos na grama, o ATP de Halle e o Grand Slam de Wimbledon com 25 e 24% a mais. Um torneio vencido duas vezes por Thomaz Bellucci, em Gstaad, na Suíça, com 16% a mais na média. Em 2013 ela ficou 35% e no ano do troféu de Bellucci, em 2012, por exemplo, ficou cerca de 10 % abaixo da média.

A superfície do ATP World Finals ficou 11% acima em 2013 e nos três maiores anos fica exatamente como um piso neutro para a efetividade do saque.

A quadra mais lenta de todas segue sendo Monte Carlo com 33% abaixo da média, mas em 2013 perdeu para Bastad, na Suécia, que ficou com 42% e Nice, na França com 36. O torneio de piso duro mais lento de todos é Indian Wells, seguido por Miami.

O único buraco no estudo é não levar em conta a característica dos jogadores do torneio. Obviamente os eventos com John Isner, Kevin Anderson e Ivo Karlovic sempre dão um toque diferencial para tais números.

Abaixo o ranking dos torneios. O piso neuro é o 1.00, acima de um é a percentagem acima do normal e abaixo é a percentagem abaixo do normal. A superfície de monte Carlo com 0.67 ficou com 33% a menos do habitual. O C, H e G referem a Clay (saibro), H (dura) e G (grama). O ranking abaixo contabiliza a média dos três anos com maior média de saques indefensáveis.

Confira os torneios e o ranking dos pisos:

Torneio / Piso / Média 2010 / 2011 / 2012 / 2013 / Média Maiores 3 anos

1 – São Paulo C 1.44 1.08 1.58 1.74 1.58
2 – Marselha H 1.09 1.24 1.41 1.26 1.30
3 – Halle G 1.20 1.39 1.26 1.20 1.25
4 – Wimbledon G 1.36 1.18 1.24 1.25 1.24
5 – Xangai H 0.96 1.05 1.08 1.37 1.22
6 – Montpellier H 1.28 1.40 1.16 1.21
7 – Brisbane H 1.01 1.20 1.08 1.27 1.19
8 – Tóquio H 1.35 0.98 1.17 1.26 1.18
9 – Gstaad C 0.87 1.13 0.90 1.35 1.16
10 – W. Salem H 1.20 1.10 1.18 1.16

11 – Chennai H 0.75 0.77 1.21 1.25 1.16
12 – Valencia H 1.02 1.10 1.12 1.19 1.15
13 – Zagreb H 1.09 1.16 1.20 1.11 1.15
14 – Washington H 0.96 0.93 1.34 1.10 1.15
15 – Vienna H 1.42 1.22 1.01 1.19 1.14
16 – Santiago C 1.23 1.21 0.86 1.29 1.13
17 – Sydney H 1.08 1.14 0.94 1.25 1.13
18 – Atlanta H 0.92 0.82 1.06 1.26 1.12
19 – Eastbourne G 1.07 1.13 0.92 1.22 1.11
20 – Queen’s Club G 1.07 1.13 1.09 1.12 1.11

21 – Paris H 1.38 0.97 1.16 1.12 1.11
22 – Cincinnati H 1.09 1.02 1.08 1.13 1.10
23 – s-Hertogenbosch G 1.13 1.08 1.03 1.15 1.10
24 – Auckland H 1.01 1.08 1.06 1.12 1.09
25 – Memphis H 1.08 1.12 0.95 1.09 1.05
26 – Stuttgart C 1.09 1.05 1.04 1.06 1.05
27 – Bogota H 1.09 1.05
28 – Rotterdam H 0.88 1.21 0.83 1.12 1.04
29 – Stockholm H 0.93 0.96 1.15 0.99 1.04
30 – Basel H 0.98 1.05 1.16 0.96 1.04

31 – Bangkok H 1.20 1.12 0.73 1.19 1.03
32 – Australian Open H 0.98 1.10 0.92 1.08 1.03
33 – US Open H 1.14 0.93 1.06 1.04 1.03
34 – San Jose H 1.21 1.23 0.96 0.99 1.02
35 – Moscow H 1.28 1.12 1.01 0.99 1.02
36 – Dubai H 1.13 1.07 1.14 0.92 1.02
37 – Doha H 0.88 1.29 0.90 0.98 1.00
38 – ATP Tour Finals H 1.07 0.93 0.87 1.11 1.00
39 – Beijing H 1.01 1.01 1.06 0.94 0.99
40 – Canada H 0.99 1.02 1.04 0.95 0.99

41 – Madri C 0.76 0.86 1.19 0.89 0.98
42 – Kitzbuhel C 1.12 0.70 1.12 0.98
43 – Metz H 1.14 0.96 1.07 0.90 0.97
44 – Dusseldorf C 0.92 0.96
45 – Munich C 0.77 0.82 0.91 0.97 0.92
46 – St. Petersburgo H 1.02 0.84 0.86 0.99 0.92
47 – Acapulco C 0.88 0.89 1.06 0.84 0.92
48 – Delray Beach H 0.98 1.07 0.92 0.85 0.91
49 – Newport G 1.46 0.72 1.04 0.89 0.91
50 – Kuala Lumpur H 0.96 0.97 0.81 0.94 0.90

51 – Miami H 0.91 0.98 0.86 0.89 0.89
52 – Umag C 0.56 0.74 0.67 1.04 0.87
53 – Hamburg C 1.04 0.85 0.75 0.92 0.85
54 – Buenos Aires C 0.84 0.86 0.93 0.74 0.82
55 – Indian Wells H 0.92 0.90 0.86 0.77 0.82
56 – Roland Garros C 0.82 0.86 0.81 0.78 0.81
57 – Barcelona C 0.73 0.65 0.91 0.78 0.80
58 – Casablanca C 0.82 0.91 0.77 0.75 0.79
59 – Estoril C 0.62 0.73 0.79 0.71 0.74

60 – Houston C 0.85 0.71 0.71 0.77 0.74
61 – Bucareste C 0.61 1.08 0.62 0.68 0.73
62 – Rome C 0.78 0.67 0.64 0.81 0.73
63 – Nice C 0.88 0.84 0.79 0.64 0.72
64 – Bastad C 0.93 0.74 0.86 0.58 0.70
65 – Monte Carlo C 0.63 0.60 0.71 0.67 0.67



MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo