Murchou…



A chance do Brasil era pequena e cabia ao otimismo (confesso que entrei nele) para que o Brasil saísse desta sexta-feira ao menos com um empate. Tudo baseado no espírito de Copa Davis ser uma competição diferente, com a presença do capitão em quadra, semana de treinos e um time unido e experiente.

Não foi o que aconteceu. Rogerinho lutou, deu o seu melhor, mas a fase de Kohlschreiber é boa e isso foi provado. Bellucci, que se esperava uma reversão do mau momento principalmente por entrar com menor expectativa, manteve a fase negra, não produziu perto do melhor tênis e acabou engolido por um Florian Mayer que está longe de ser outro mundo.

A Alemanha sai com um justo 2 a 0 e o Brasil em situação muito delicada. Melo e Soares tem tudo para confirmar o favoritismo neste sábado em uma dupla onde somos favoritos em quase todos os jogos entre nações. Mas o sentimento murchou para ao menos uma repetição do que vimos em fevereiro nos Estados Unidos.



MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo