Que Federer faça a rivalidade com Nadal renascer



Federer ganhou, conseguiu uma baita virada contra Tommy Haas, mostrou que está muito afim de persistir e conquistar algo importante no circuito e isso dá um alento aos fãs dele e do tênis de que esse tipo de vitória possa acrescentar em sua confiança.

Não podemos negar e fechar os olhos pra realidade. Haas deu uma contribuída com um game ruim no meio do segundo set. E no tênis é assim, se você domina o jogo e deixa o rival do outro lado crescer por seus erros, contra gigantes como Federer, Nadal, Djokovic e etc, o deslize pode ser fatal.

É visível, apesar da vitória, que Federer não tem a mesma velocidade de antes e segue buscando encurtar os pontos e subir à rede, ainda mais numa quadra tão veloz como a de Cincinnati. Com uma menor confiança, as bolas não entram e acontece o que aconteceu em um set e meio hoje. Com ela mais alta, os golpes, o saque entra e a figura muda.

Federer precisará e muito dessa tal de confiança se pensar em derrotar Nadal. O problema é que do outro lado da rede, o espanhol está com a moral super elevada e, como todos sabem por A + B, tem o número para derrotar o suíço. Rafa venceu seus 13 jogos no piso duro este ano e vem atuando com bom saque, firme devolução, revés longo e forehand demolidor.

Olhando por esse cenário, o favoritismo é todo para Nadal, mas todos sempre esperam que Roger possa dar o clique para seu melhor tênis e ao menos faça frente ao espanhol para fazer renascer a rivalidade que vem perdendo a graça nos últimos encontros.

Thomaz Bellucci – Mais um jogo seguido que escapa nos detalhes. A chamada confiança, acima citada, está longe de Bellucci e ele já soma seis derrotas seguidas. Seria legal que ele tentasse Winston-Salem que começa no final de semana. Ou com um convite pra chave ou para disputar o quali. Jogar na semana antes de um Grand Slam não é o ideal para quem pensa grande nos Majors, mas a fase de Bellucci é temerária e ele precisa de ritmo.

O que dizer de Marion Bartoli ? Foi lá, ganhou Wimbledon, com uma dose de sorte pela chave mais fácil, mas foi a campeã, e um mês depois anunciou a aposentadoria aos 28 anos alegando cansaço, dores e decisão tomada no mesmo dia após uma derrota.

Um modo peculiar de jogar com revés e forehand com duas mãos e quase sempre flexionando os joelhos para fazer o contato com a bola. Briga constante com a Federação Francesa por divergências entre seu pai e o comando técnico da Fed Cup.
Marion afirma que a decisão foi tomada e não volta atrás, mas como foi algo repentino, não ficaria surpreso se depois de alguns meses tivessemos um retorno.

Notícia boa só para a brasileira Teliana Pereira que agora está a uma desistência de jogar a chave principal de seu primeiro Grand Slam. O deadline para esta tão baixa acontecer é terça pela manhã. Caso não ocorra, seria mais um capítulo de falta de sorte da pernambucana que ficou como a primeira lucky-loser de Roland Garros e pela primeira vez em onze anos nenhuma das 128 tenistas da chave desistiu. Caso ocorra, será a primeira tenista nacional em 20 anos a jogar um Major.

Curtinhas:

Federer segue super ameaçado e caso não faça final em Cincinnati sairá do top 5 e se Del Potro fizer boa campanha será o sétimo do mundo. Isto pode acontecer já amanhã em caso de derrota sua e vitória do argentino.



MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo