O lado bom e ruim do aumento da premiação nos Slams



O US Open anunciou a premiação rodada a rodada pro torneio que começa no fim de agosto. O total dos prêmios gira em torno dos R$ 80 milhões sendo quase R$ 6 mi para cada campeão de simples e US$ 32 mil (cerca de R$ 73 mil) para a primeira rodada.

É a valorização pedida pelos atletas das competições de simples através da ameaça de boicote e um maior conforto para aqueles fora do top 50 com menores patrocínios (ou nenhum) viajarem tanto para a competição quanto para algumas semanas no circuito, mas também um problema a se criar.

Com essa grana por uma primeira rodada se diminui a lista de desistências da competição. O tenista pensa duas vezes em desistir mesmo com problemas físicos caso não sinta um problema mais sério. Logo assim a tendência é de jogos com placares mais dilatados ou então alguns abandonando no segundo ou terceiro sets. Quem sofre mais é quem está na porta para entrar na chave principal e acaba de fora, tendo que disputar o duro qualificatório.

Em Roland Garros não tivemos nenhuma lucky-loser pela primeira vez em mais de uma década. Teliana Pereira, que era a primeira a entrar baseado no sorteio, acabou sem entrar em quadra. Agora no US Open, a tendência é de poucas desistências e mais uma vez a brasileira está ali pertinho, aguardando três baixas até que a primeira bola do quali seja jogada, na terça-feira, dia 20 de agosto.

Curtinhas:

Enquanto em simples a média de aumento ficou nos 37% de premiação, nas duplas a ampliação foi de 12,7%.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo