No físico e saque. A final esperada



Foram mais de 20 aces e uma precisão que nem sempre se vê no serviço de Novak Djokovic e a já costumeira boa parte física dois pontos diferenciais para a vitória em jogo épico contra Juan Martin Del Potro. A partida que estava faltando na competição que viu muitas zebras e jogos animados em seu início muito mais por eliminações de grandes figuras do que por qualidade e drama.

É sabido que o argentino não tem um físico da estirpe de Djokovic e Nadal e esse é um dos motivos pelo qual ainda não se firmou como um tenista top 5 (sim, ele já ganhou um US ppen em 2009 e no ano seguinte passou um período curto no top 4). Uma pena que isso ocorra, mas sempre enche os olhos quando vemos uma luta como a apresentada pelo sul-americano nesta sexta-feira. Várias situações abaixo com break contra ou aquele 6 a 4 no tie-break e o argentino seguia marretando a direita com bolas incríveis. No final, a afobação associada ao cansaço extremo pesou , assim como os bons saques de Novak e a sensacional parte mental.

Delpo está a cada torneio merecendo outra conquista de Grand Slam. Há poucos anos ele era um jogador mediano na grama e hoje se torna um pretendente ao título. Um dia a sorte vai virar prolado dele e certamente outra conquista virá.

Assim como foi seu aliado hoje, o serviço é muito importante para Djokovic no domingo na digamos “final esperada” – depois de tudo que aconteceu. Como já foi provado anteriormente, dificilmente o cansaço provocado hoje irá influenciar contra Andy Murray. Mas dentro de dois dias, pelo equilíbrio que costuma ser este duelo, temos a grande chance de um confronto com igual ou até maior drama do que o deste sábado.

Novamente Murray não começou bem e Janowicz pecou pela falta de experiência ao não confirmar a vantagem no 3º set. Não pode dar essa margem a Djokovic, caso contrário terá uma chance enorme de deixar a Grã-Bretanha na fila por mais uma temporada – não ganhan Wimbledon desde 1936 com Fred Perry.

Não vou arriscar um favorito. Você, caro leitor, tem algum palpite ?

Brasil nas duplas – Sensacional Marcelo Melo e Bruno Soares com feito histórico alcançando duas decisões em Wimbledon. Melo tirou a dupla cabeça 7 e 4 com os fortíssimos Paes/Stepanek. Agora neste sábado o grande desafio com os irmãos Bryan com mais de 20 vitórias seguidas e oito canecos no ano. Será uma dura batalha, mas vamos torcer. Melo tenta ser o 1º campeão de duplas do masculino e o 6º brazuca campeão de um Slam. E no domingo é a vez de Bruno Soares e a americana Lisa Raymond na final de mistas. Bruninho tentando seu segundo Major. Incrível os duplistas brasileiros cada vez mais nos dão orgulho.

Curtinhas:

Temos duas brazucas buscando finais em challengers na semana. Em Denain, na França, Teliana Pereira. Ela vem de oito vitórias seguidas e se for a campeã garante vaga no US Open quebrando uma série de 20 anos sem brasileiras em Majors.

Em Rio Preto (SP), Laura Pigossi salvou match-point e alcançou a semi de seu primeiro challenger. A jovem de 18 anos vai ter um ótimo upgrade de ranking (é a atual 518) e é mais uma ótima promessa brasileira a despontar.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo