ITF cai em descrédito ?



Tenista brasileiro, Fernando Romboli foi testado positivo para dois diuréticos, furosemida e hidroclorotiazida, dois mascarantes. Romboli assinou o termo de suspensão voluntária, ou seja, se comprometeu a não jogar nenhum torneio durante a investigação.

Depois de oito meses de meio de investigações, a ITF acatou o relatório de defesa apresentado pelo tenista carioca que vive no Guarujá (SP) que alegou que os mesmos foram encontrados por uma contaminação realizada por uma farmácia de manipulação (da cidade de Santos), fato que o livrou de qualquer outro tipo de pena.

Falando bem simples. Por ter encontrado as substâncias proibidas, a ITF foi obrigada a suspendê-lo, mas pelo tenista ter provado que a ingestão foi acidental e que ele colaborou com a investigação, acabou o inocentando.

Dado o caso, fico com uma sensação de algum descrédito da ITF.
Qual a lógica de se divulgar um caso de anti-doping justo no dia em que termina a suspensão do jogador ?

O fato do doping ter sido comprovado já seria passível da divulgação e obviamente o jogador tem todo o direito de se defender e a ITF também de divulgar quando a suspensão terminar assinalando a inocência do tenista.

Este tipo de caso só abre margem para dúvidas. Será que há outros tenistas em caso semelhante ao de Romboli onde se vai descobrir o somente quando se termine a suspensão ?

E será que existem tenistas que são flagrados, assinam a suspensão voluntária e sequer são divulgados ? Não quero citar nomes, mas existem alguns casos estranhos de lesões ou problemas físicos e é muito mais fácil você pegar o peixe pequeno, o tenista 200, 300, 400 do mundo, do que um top.

Só lembrando de Andre Agassi que teve caso de doping acobertado pela ATP nos anos 90.



MaisRecentes

Djokovic está de volta!



Continue Lendo

Um racha no circuito ? 



Continue Lendo

Federer com muitos concorrentes para o All England Club



Continue Lendo