Federer volta ao Nº 2, mas estaria fora do ATP Finals



A quinta-feira NÃO é um dia de vibração para o torcedor de Roger Federer e sim para ficar um pouco preocupado. Se o ATP World Finals de Londres fosse hoje, o suíço estaria FORA da disputa.

O natural da Basileia perdeu a oitava colocação da temporada para o francês Jo-Wilfried Tsonga e ocupa o nono lugar com 1170 pontos.

O ranking da temporada não conta os descartes de defesa dos pontos e só é divulgado pela ATP depois do US Open quando começam as definições pela vaga no torneio que reúne os oito melhores do ano, mas desde já podemos acompanhar o desempenho dos tenistas para avaliar quem está melhor ou pior e as possibilidades de classificação.

Novak Djokovic lidera com 3300 pontos contra 2720 de Andy Murray, 2370 de David Ferrer e 2080 de Rafael Nadal. Tomas Berdych é o quinto seguido por Juan Martin Del Potro e Ricard Gasquet. Dependendo dos resultados da próxima semana em Barcelona, Federer pode ser ultrapassado por Nicolas Almagto que vem 165 pontos atrás, no décimo lugar.

A temporada do suíço é abaixo das expectativas pelo que ele fez ano passado e durante toda sua carreira. Ainda sem finais e sem títulos o suíço tirou 60 dias de férias, não jogou Miami e nem Monte Carlo e precisará voltar firme para não deixar a peteca cair.

A volta ao segundo lugar do ranking pela queda de Andy Murray em Monte Carlo é uma boa notícia, mas nem tanto para ser comemorada. Já em Madri, Roger defende o troféu enquanto que o escocês descarta pouco e um troca-troca nesse posto pode ocorrer até o fim de Roland Garros.

O que é mais preocupante, só que para nós brasileiros. Thomaz Bellucci é o 112º melhor tenista do ano com 165 pontos. Ele por enquanto cairá pro 44º posto no ranking de entradas da ATP na segunda-feira. É preciso uma reação visto que a defesa maior de pontos começa para julho.

O melhor brasileiro no ranking do ano alguém adivinha ? Rogério Silva, no 85º posto (é o 97º node entradas). João souza, o Feijão, é o 116º (114 no de entradas) e pode passar Bellucci se vencer hoje em Santos.

Saibro, o martírio de Murray – Em 2009 foram poucas semanas e agora por enquanto poucas semanas no número dois do mundo. Para se fixar nesta posição e brigar pelo número 1 é preciso regularidade nos resultados e não ter um calcanhar de aquiles. O saibro continua sendo o martírio de Andy Murray. Perder para Stanislas Wawrinka não é nenhuma zebra, agora tomar 6/1 6/2 é um alerta de que muita coisa está errada – hoje a direita foi péssima.

O escocês terá algumas semanas para trabalhar e evoluir, caso contrário será mais uma vez coadjuvante na terra batida e o sonho do topo ficará muito distante.

Sacrificado – Djokovic está claramente jogando no sacrifício e até se arriscando. Repito o primeiro post. Será que vale à pena esse esforço todo e um possível agravamento da lesão ?

A torção no tornozelo se não for bem cuidada por acarretar até outro problema no pé ou perna do atleta. O brasileiro Rogério Silva sofreu com isso no ano passado e precisou fazer palmilhas especiais para sanar dores no pé que começaram após uma torção de tornozelo.

É louvável que o sérvio esteja mostrando raça para ganhar o torneio em sua casa, mas é preciso pensar bem. Roland Garros está batendo na porta. Essa precisa ser a prioridade.



MaisRecentes

Zverev tem tudo, mas ainda falta muito. Estranho, não ? 



Continue Lendo

Nem sempre se pode ganhar todas



Continue Lendo

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo