Rio Open terá custo de US$ 25 milhões, já se planeja e aprende com erros do Brasil Open



Foi lançado nesta terça-feira o Rio Open numa bela a organizada coletiva de imprensa no Hotel Sheraton no Rio de Janeiro. Para se ter noção da importância do evento, estiveram presentes a presidente da WTA, Stacey Allaster, o CEO das Américas da ATP, Mark Young, e o brasileiro André Silva, diretor do ATP World Finals e CEO dos Jogadores da ATP. O torneio ainda fez homenagens a ex-tenistas brasileiros como Thomaz Koch, Ricardo Acioly, Nelson Aerts, Miriam D´Agostini e Joana Cortez.

Pela organização e luxo da coletiva de imprensa promovida pela empresa IMX, fico com a expectativa de que o torneio carioca, entre os dias 15 e 23 de fevereiro seja um dos melhores do circuito e bem melhor do que o Brasil Open que passou recentemente com muitas críticas dos jogadores na construção da quadra e nas bolas. E a IMX parece ter aprendido com os erros dos agora concorrentes mandando um recado.

“Vimos o que aconteceu e estamos ainda mais motivados pra fazer o torneio que não só será o maior e sim o melhor da América Latina. Estamos planejando tudo com antecedencia, pra que tudo ocorra 100%. Não existe hipótese nenhuma pra ter problema na quadra, nossa equipe já está cuidando dessa parte e pela experiência da empresa , temos um know-how de eventos de tênis”, garante Márcia Casz, vice-presidente de esportes da IMX. A bola do torneio será a HEAD.

O custo total do torneio, segundo Márcia, gira em torno dos US$ 25 milhões em estrutura, premiação, logística e etc – de acordo com a organização tudo de verbas de patrocínios, nada de verba pública. O evento será no Jockey Club, na Gávea, utilizando ao todo oito quadras para receber chave de 32 jogadores no masculino e outros 32 no feminino. Todas as quadras existentes do clube estão passando por um processo de reforma e será montada uma quadra central com capacidade para 7 mil pessoas no meio do gramado do Jockey, uma área que há pouco tempo foi liberada pelo clube para receber eventos. Ao todo, o torneio terá espaço para 9 mil pessoas por dia com uma ampla área para diversão e alimentação.

“Esperamos que o publico brasileiro aceite o evento como deve acontecer, queremos ficar aqui pra sempre. Espera que se torne um festival anual de tênis e que os torcedores possam curtir”, disse Mark Young.

Os tenistas terão disponíveis outras duas quadras para treinos em clubes adjacentes que pode ser o Piraquê ou o Paysandu ou outro ainda a confirmar.

No masculino a premiação será de US$ 1,25 milhões, quantia básica pros outros 11 ATP 500 de hoje em dia, mas o suficiente para trazer bons nomes numa semana onde não teremos outros concorrentes de eventos 500 e nem um Masters 1000 colado. O sonho de consumo é Novak Djokovic que recentemente assinou com a IMG, parceira da IMX, algo que poderia facilitar sua negociação para estar por aqui. Os nomes só começam a ser divulgados a partir de agosto ou setembro e o torneio espera em torno de duas até três estrelas do top 10.

No feminino, a premiação será de US$ 250 mil, mas mesmo com a tentativa de se trazer uma do top 10, ficará difícil visto que na mesma semana será jogado o Premiere de Dubai, nos Emirados Árabes. O torneio seguinte, em Florianópolis (SC), será mantido no piso duro. Segundo Allaster, uma exigência da WTA visto que o evento precede Indian Wells e Miami e seria uma boa preparação para as jogadoras.
O Rio Open será, pelo menos no masculino, um evento permanente visto que não há contrato e sim uma data comprada que é cedida apenas se o mesmo não consegue arcar com os custos. De acordo com Fernando Soler, um dos managers da IMX, foram cinco outras sedes buscando a compra do evento de Memphis, EUA, pelo qual o Rio será o substituto. O evento a princípio será no Jockey em 2014 e 2015, existindo uma possibilidade de mudança de local para 2016 dependendo das circunstâncias.

Não vejo a hora da realização do maior torneio da história do tênis brasileiro e que pode servir de trampolim para outros torneios maiores.

Venda de ingressos – Novidades apenas no segundo semestre, talvez para agosto.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo