Bellucci. Preparação prejudicada, dores e em busca da alegria



Inegável que Thomaz Bellucci sente a pressão por jogar em casa e sente a pressão quando é tido como o favorito. Um dia ruim como o de ontem acontece, é inerente para qualquer tenista mortal que não se chame Federer, Nadal ou Djokovic. São cerca de 25 até 30 semanas do ano que os tenistas jogam, eventualmente em uma ou outra ele não irá bem e em algumas encaixará seu melhor tênis.

As vaias recebidas ontem se justificam por uma torcida extremamente passional como a brasileira, que tem a cultura do vencer, vencer, vencer e de se dar valor aqueles que correm, chamem a torcida e exibam suas emoções em quadra. Mas o público precisa entender, além do tema abordado acima, que a personalidade de Bellucci é mais contida. Com um estilo de jogo agressivo, se o dia é ruim, a tendência é que o saque não entre e os erros apareçam. Isso não quer dizer que ele não esteje lutando, que não esteja dando o seu 100%. Tênis não é futebol e Bellucci não é o Guga.

O que Thomaz precisa, como bem disse seu treinador, Daniel Orsanic, em bate papo que tivemos esta semana, é jogar mais alegria, desfrutando mais para aliviar as tensões. E parte deste trabalho está sendo realizado pela psicólogica Carla di Pierro. Agora o caminho não é fácil, Bellucci não é nenhum menino de 15 anos e sua característica é essa.

Lesão crônica, preparação inadequada e preocupação para 2013 – Me preocupa muito esse início de ano de Bellucci. Contando a Copa Davis, foram quatro competições e nenhuma delas com duas vitórias em simples. O mais preocupante são as derrotas fáceis para jogadores teoricamente mais fracos (Kavcic e Volandri).

Duas são as explicações. Em nosso bate papo, Orsanic revelou que Thomaz sofre há mais de um ano com incômodos no ombro, dores crônicas por sobrecarga que se acentuaram há alguns meses. Bellucci aliviou o ombro na pré-temporada, não deu certo, teve bastante dor no Australian Open e problemas mais brandos durante a Copa Davis. Por esses problemas ele vem fazendo, com seus fisioterapeutas, um trabalho de correção postural. A cirurgia é descartada e o técnico destaca uma melhora no quadro e confiança em sanar o problema num futuro próximo para jogar sem dor. Orsanic admitiu que em alguns dias dói mais e outros, menos.

Se Bellucci está com dores crônicas no ombro e precisou aliviar o mesmo na pré-temporada, não deveria, em hipótese alguma jogar, o Challenger Finals e as exibições na turnê de Federer em dezembro. Mas o tenista é agenciado pela promotora dos dois eventos e não poderia ficar de fora delas, não é ? De certa forma contribuiu em sua preparação inadequada e pagou o preço na demora da recuperação, que ainda promete levar algum tempo, e em alguns desses resultados nada bons do começo de ano.

E aí meu amigo, sem uma preparação boa, eventualmente com dores, os movimentos e golpes são prejudicados, a tendência é atuar sem confiança e um tenista sem confiança, pouco rende.

A entrevista completa com Daniel Orsanic está aqui



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo