Épicos. Luz no fim do túnel



Se tem alguém que orgulha o torcedor brasileiro, sem nenhuma sombra de dúvida, e que podemos confiar é a dupla Marcelo Melo e Bruno Soares. Individualmente no circuito e quando se juntam para uma partida de Copa Davis. Mesmo que percam, eles fazem frente, não largam o osso e no mínimo dão trabalho.

E neste sábado eles nos orgulharam mais uma vez. Foram na casa dos rivais, em plenos Estados Unidos, contra os irmãos Bryan, dupla mais vencedora de todos os tempos (13 Grand Slams e mais de 80 títulos juntos), apenas duas derrotas em 24 jogos de Copa Davis, e bateram os rivais num sensacional duelo de cinco sets.

Uma vitória que é para aplaudir de pé, dar muito crédito e louvar, qualquer que seja o resultado final do confronto em Jacksonville.

A situação do Brasil no confronto ainda é delicada. Ganhamos uma sobrevida, mas é preciso que essa energia seja transportada principalmente para Thomaz Bellucci, que na sexta-feira jogou abaixo do esperado e errou demais, dando margem para Querrey atuar solto e com confiança.

Thiago Alves já deu a deixa do que é preciso fazer contra John Isner – mexê-lo bastante no fundo de quadra quando o ponto passar a ser disputado no fundo de quadra. Bellucci precisa evitar o afobamento mostrado na sexta-feira e ter a consciência que o rival vem de lesão e que levá-lo a um jogo longo pode ser favorável.

Com este cenário e a injeção de confiança dada após a vitória incrível da dupla brasileira, vejo uma luz no fim do túnel. Mesmo com a partida ruim na sexta, Bellucci pode se recuperar e bater Isner. E aí no quinto jogo seja o que Deus quiser no jogo de Thiago Alves.

Nos outros confrontos fiquei com pena de Stanislas Wawrinka. Depois de perder em 5h para Novak Djokovic esteve em outra batalha e perdeu após 7h com incríveis 24/22 para Berdych/Rosol nas duplas. Será interessante o jogo contra o próprio Berdych neste domingo. O tcheco esteve em quadra cerca de 10h e ele uma hora a menos. Próvável que lá pelo segundo, talvez terceiro set, algum deles esteja capengando. Mesmo que isso não seja bom tecnicamente, esses tipos de jogos dão sabor à Copa Davis.

A Sérvia e Argentina conseguiram triunfos um tanto improváveis de 3 a 0 contra Bélgica e Alemanha e estão nas quartas. Os argentinos pegam em casa a França em abril. Sem Del Potro, vida duro pros hermanos. Tenho convicção que Martin Jaite tentará convencer o top 10. Ele é crucial.



  • Maurício

    Estou arrepiado de ver a garra e a competência dos duplistas brasileiros. Um exemplo! Vitória histórica. Tenho esperança que o Bellucci se sinta inspirado, porque vai ter que fazer “das tripas o coração” pra ganhar do Isner. Vai ser um Deus-nos-acuda…

    • já fez e ganhou hehehe

  • Maurício

    O Bob Bryan, no final do segundo set, achou que iria ganhar o jogo no “berro”. Se isso resolvesse, cantor de ópera seria campeão de Wimbledon! Quanto ao Isner, ele é grande, mas não é dois.

  • Vai Corinthians

    Depender do BeLOOSER e do Thiago é sóda, são dois tenistas medíocres. Vergonha o nosso tênis.

    Tá na hora do Corinthians patrocinar um bom tenista, pode ser o Del Potro. Vamos lá Mário Gobbi, quero ver o escudo do Timão num grande Slam.

    • Maurício

      Você fala como se o Corinthians fosse a solução de todos os problemas do mundo…

  • Léo

    É até triste o que vou escrever depois de uma vitória como a de ontem.
    Porem a chance do “sem sangue” Bellucci tomar um 3 x 0 fazendo 10 games no máximo é enorme!!!

MaisRecentes

Qual o limite de Roger Federer ?



Continue Lendo

Cilic e a missão (quase) impossível contra Federer



Continue Lendo

O verdadeiro Dia Mundial do Tênis



Continue Lendo