Tomic pode dar trabalho a Federer ? Bellucci preocupa



Duas rodadas e poucas emoções para os principais favoritos tanto do masculino quanto do feminino no Aberto da Austrália.

Quem vem tendo e pode ter ainda mais trabalho por enquanto é Roger Federer, por conta da chave com jogos mais difíceis que os rivais. Se por um lado é ruim enfrentar tenistas de calibre logo cedo, podendo dificultar jogos e arrancar energia preciosa da parte física, por outro dá mais ritmo e confiança. E foi o que Federer mostrou hoje. Debaixo de um calor de 40º C jogou demais e derrubou o sempre eficiente Nikolay Davydenko.

Seu próximo rival é Bernard Tomic e nas oitavas pode ter Milos Raonic. Caminho nada fácil. Mas falemos do primeiro por enquanto. Será que o polêmico garoto pode oferecer mais resistência e até batê-lo ? Vencer, acredito que não. Mas dar trabalho, sim. Tomic mostrou, contra Daniel Brands, que está com um saque afiado e servir bem contra Federer será fundamental. Ele melhorou sua movimentação em relação ao ano passado, mas parece ainda um pouco lento para chegar em algumas bolas. E como já vimos, o garoto é muito talentoso.

Ao meu ver, o problema de Tomic é ser muito autodidata e teimoso, não parece ter um amadurecimento para buscar aquela disciplina tática. Ele não pode cair na ideia de 2012, quando perdeu fácil para Roger na Austrália, de simplesmente explorar o melhor golpe do suíço, a direita. Precisa explorar a esquerda e procurar sempre começar bem cada set, não dando brechas para que Roger o quebre e assim deslanche no encontro.

E o fundamental. Tomic necessita acreditar o tempo todo, não largar mão e mostrar ‘falta de respeito’ (no bom sentido, ok ?) dentro de quadra – a mesma que ele costuma mostrar em suas declarações, se mostrando confiante, que é a hora certa para enfrentar Roger.

Sendo assim, teremos fatores para um ótimo jogo no próximo sábado. Mas continuo com a idea que a boa fase e a experiência tornam Roger favorito.

O que dá pra comentar de Murray e Djokovic é que ambos estão voando, com ótimas devoluções e muito leves em quadra. Mas os dois ainda não foram testados. Não acredito que Stepanek e tampouco Berankis possam fazer muita coisa.

E no feminino quem se assustou foi Serena Williams por conta da torção no tornozelo. Mas mesmo assim e se poupando um pouco , ela vai e aplica 6/2 6/0. Maria Sharapova aplicou duas bicicletas e não sabe o que é perder games. E hoje terá uma vida bem dura contra Venus Williams. Victoria Azarenka, que começou um pouco sonolenta em relação às rivais, acordou. A noite desta quinta, manhã e madrugada de sexta prometem com Venus x Sharapova e Jankovic x Ana Ivanovic.

Bellucci lesionado. E agora ? De acordo com seu técnico, o argentino Daniel Orsanic, Thomaz Bellucci vem sofrendo com dores no ombro que complicam sua vida na hora de sacar. Mesmo jogando muito mal ele não tomaria 6/3 6/1 6/3 de Blaz Kavcic. O que preocupa é que temos uma Copa Davis dentro de duas semanas e a seguri um Brasil Open onde defende semifinal.

E Thomaz já estava com essas dores no fim do ano passado, mas foi jogar o Challenger Finals, exibições da Federer Tour…

De certa forma a situação parecia favorável ao Brasil com os problemas de Mardy Fish, lesão de John Isner (que ainda é dúvida) e de Brian Baker. Mas com um Bellucci baleado ficará muito difícil. Aguardemos.

Nadal no Chile. O Rei do Saibro confirmou sua participação no ATP de Viña del Mar. Ruim para o Brasil Open pois a volta do espanhol será no Chile, logo perde-se o foco de mídia de ser ‘a volta’. Mesmo assim só a presença dele terá muita visibilidade e seráexcelente para o torneio.

O lado positivo é que ele chegaria com mais ritmo de jogo para encarar o duro torneio brasileiro podendo chegar um pouco mais perto de sua plenitude. Mas corre-se um risco. Após sete meses parado, vindo de lesão, jogar dois torneios seguidos pode gerar um cansaço ou até dores que o façam desistir do segundo evento. Torcemos para que isto não ocorra.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo