Bom início de 2013. Disputa pela Davis



A primeira semana do tênis foi bem positiva pro tênis do Brasil. Marcelo Melo deu sequência aos bons resultados de 2012 e largou com título ao lado de um parceiro que nunca havia jogado, Tommy Robredo, e faturou o ATP de Brisbasne, seu 11º título se tornando assim o maior vencer de canecos dos duplistas nacionais na história e igualando seu melhor ranking (17º).

Se Bruno Soares tem Alexander Peya como parceiro definido e uma boa projeção para 2013, para Melo uma definição com um duplista seria fundamental pensando muito em ATP World Finals que classifica as oito melhores parcerias.

Em 2012 ele variou bastante e jogou mais com Ivan Dodig, que promete ser seu parceiro na nova temporada. Mas o croata segue dando prioridade para simples e por isso os calendários às vezes não se encaixam. De qualquer forma, Melo mostrou estar cada vez mais afiado no circuito e o que pe melhor, bem adaptado. Ele fez bons resultados com Dodig, Cilic e Tommy Robredo, tenistas com estilos diferentes. Esta semana o brazuca joga com o duplista indiano Rohan Bopanna em Sydney, quem sabe um bom resultado aí não dê a parceria fixa que o mineiro tanto busque.

Rogério Dutra Silva e João Souza fizeram ótimas campanhas no Aberto de São Paulo. O primeiro fez final após derrotar em batalha de três horas o segundo na semifinal. Ambos cresceram no ranking alcançando o 112º e 132º lugar na ATP respectivamente. Tirando o resultado em si, mostraram um jogo mais regular por parte de Feijão e mais variação e agressividade por parte de Rogerinho.

Dados esses resultados, o Aberto de São Paulo certamente serviu para confirmar um planejamento prévio do capitão João Zwetsch ou então colocar uma pulga atrás de sua orelha na segunda opção de simples da convocação para Copa Davis que deve ser feita até semana que vem.

Thiago Alves seria o mais indicado pro tipo de jogo que teremos nos Estados Unidos num piso duro e coberto e por também já ter jogado bem nessas condições contra a Croácia em 2008. Mas o paulista de Rio Preto não vem no seu melhor ritmo desde o fim do ano passado e tampouco teve atuações convincentes em SP.

Zwetsch tem três opções de atitudes a se tomar.  Levo o que tem de melhor do momento ? Vou pelo histórico nas condições que serão apresentadas ? Ou a última delas. Arrisco numa jovem promessa para ganhar experiência para futuras convocações já que nossas maiores chances de pontos são com Thomaz Bellucci e a dupla Melo/Soares ?

Curtinhas:

Para tomar nota. Bellucci em 2007 acabou entrando no time do Brasil da Copa Davis por lesões de Flávio Saretta e falta de opções. Mesmo perdendo sem fazer sets, acabou tendo boas atuações e tendo uma ótima experiência para encorpar pro circuito e consequentemente em outras Copa Davis.



  • LUQUES

    FG, EUA X BRASIL É IGUAL AO TARZAN X JACARÉ, não temos chance alguma, 5 x 0 pra eles, não adianta ficar alimentando esperanças.
    Abçs

MaisRecentes

Maior de todos no saibro, Nadal já pode almejar liderança na temporada



Continue Lendo

Bellucci se reencontra



Continue Lendo

Rep. Tcheca seria o melhor rival do Brasil na Copa Davis



Continue Lendo