Sharapova e Del Potro contra os tabus



Final de semana empolgante no tênis masculino e feminino. Entre os homens a decisão do ATP 500 da Basileia, na Suíça, com o que o evento tinha de melhor, Federer x Del Potro. O que mais deu trabalho ao suíço na semana foi Thomaz Bellucci e na semi um renovado Mathieu, que ficou parado por lesão e promete dar trabalho para 2013.

O argentino não vence Roger desde 2009, no ATP Finals, lá se vão quase três anos e sete derrotas seguidas. O mais curioso, seis delas este ano. O quesito técnico ajuda, os slices de Federer incomodam o argentino, mas o mental é o principal. Tanto em Roland Garros, quando liderava opor 2 sets a 0, quanto na Olimpíada, onde fez 1 set a 0 e teve há dois pontos da vitória inúmeras vezes, Federer se sobressaiu.

Como venho dizendo há meses, o que falta ao argentino era aquela grande vitória sobre um dos top 3. Na Olimpíada ele conseguiu, em seguida, no piso rápido americano, veio a lesão no punho que parece estar controlada. Neste domingo, jogando sem pressão, sua chance aumenta. Além de Federer não querer perder o título em casa, a questão do número 1 fala mais alto. Roger já sabe que na abertura de Londres não será o líder, mas perder 200 pontos diminuirá muito sua chance na briga para terminar no topo.

No feminino, o WTA Championship mostrou as quatro melhores do ano na semi. Infelizmente Radwanska se enrolou, jogou 3h30 na sexta-feira e não fez frente a Serena Williams. Está difícil aliás ver alguma tenista que consiga bater a americana. Mesmo jogando mau nas primeiras rodadas ela venceu, e em dois sets.

Sharapova surpreendeu até certo ponto. Venceu todos seus jogos com certo conforto no placar e quebrou uma barreira mental neste sábado ao derrotar Victoria Azarenka pela primeira vez no piso duro este ano. A superfície de Istambul não é tão rápida, ajuda no jogo da russa que vem voando. Mas por outro lado não podemos esquecer. Azarenka jogou o torneio todo pressionada. Precisava de duas vitórias para fechar o ano no topo. Aos trancos e barrancos, salvando match-point contra Kerber, não jogando seu melhor contra Na Li, conseguiu e pode ter “comemorado” demais a façanha no dia de ontem. Se você não entra 100% focada, descansada e preparada contra Sharapova, um abraço.

A musa russa tem outra barreira, desta vez bem maior, a derrubar neste domingo. Ela não vence Serena há OITO ANOS. Isso mesmo. Seu último triunfo foi na decisão do WTA Championship de 2004. De lá pra cá só derrotas e algumas bem fáceis como na final Olímpica. Como Sharapova diz, “Serena está com tudo”.

Mas Maria não pode deixar de acreditar e tem um desafio que pode sim ser superado. Precisa sacar bem, com bom percentual no primeiro serviço para evitar os ataques de Serena e procurar não ficar apenas na pancada, tentar variar e mexer um pouco com a americana. Ter muita atenção para não deixá-la abrir vantagem no placar que assim seu jogo potente e serviço fluem com mais naturalidade.

Os desafios estão aí, Del Potro e Sharapova tem mais uma, e boa chance para superá-los.

Curtinhas:

Challenger do Rio de Janeiro e porto Alegre sem brasileiros na semi. Rogerinho optou por ir à Argentina para jogar três challengers e tampouco fez semi (neste último adquiriu uma lesão nas costas). Fim de ano nada bom para os tenistas nacionais até agora.

Desorganização total no ITF de Salvador, na Bahia. Além da programação sair às 23h, péssimo para os meninos, alguns deles tiveram que fazer até 3 jogos no mesmo dia. Um de simples, um de duplas, estes programados, e outro surpresa nas duplas. E isso para meninos de 14 anos. Que melhorem para o ano que vem.



  • Thiago

    Gallas a respeito do “fim de ano dos brasileiros”, vc irá entender minhas lamúrias…sou carioca e fui em todos os dias do Challenger do Rio(sempre nos jogos de fundo, afinal, eu trabalho rsrs) e o que vi foi um Gastão Elias, Guido Pella e Pashanski com um tenis muito mais incisivo que os demais. o que irritou: 1ª- A quantidade de erros não forçados do Feijão, beira a um juvenil jogando 2ª – um Ricardo Mello pensando se para ou não, visivelmente desconfortável em estar ali,Clezar e João Pereira, péssimo dia e lesão respectivamente.Surpresas boas: um tiago lopes surpreendente contra o cabeça 2(Joao Sousa), Demoliner acertando excelentes voleios pra todos os lados(nas duplas) e infelizmente os “gringos” com muito mais vontade de ganhar que os brasileiros…..acha que eu exagerei? vide que vc estava lá que eu vi…rsrs

    • Fabrizio Gallas

      Exagerou não, colocou bem. Talvez um pouco de cansaço dos brasileiros, talvez.

MaisRecentes

Um novo patamar para o Next Gen



Continue Lendo

Touro afia as garras para Roland Garros



Continue Lendo

Maior de todos no saibro, Nadal já pode almejar liderança na temporada



Continue Lendo