Falta pouco para Bellucci



Se Thomaz Bellucci precisava de um grande teste para medir sua evolução nas últimas semanas no piso rápido, o de hoje foi um deles. Roger Federer na casa dele, Basileia, sobre o rapidíssimo piso duro e coberto.

E mais uma vez o brasileiro fez uma boa apresentação. Começou meio frio, sem segurar o já conhecido ímpeto de Roger no início da partida. Aos poucos foi entrando na partida e equilibrou as ações levando o número 1 e pentacampeão do evento ao extremo.

No primeiro set faltou um pouco de calma para devolver a quebra no 5/3. No decorrer do jogo o saque funcionou bem assim como sua movimentação e paciência para construir os pontos e esperar/forçar erros do suíço. No segundo set um momento emocional ruim ao desperdiçar quatro set-points cometendo erros, mas equilibrando a cabeça para vencê-lo em seguida.

O que faltou então pra vitória ? Manter tudo isso acima citado no 12º game do terceiro set. O saque não funcionou, ele se afobou cometendo dois erros e acabou quebrado.

Crucificá-lo ? Que nada! A exibição de Bellucci foi excelente, só que do outro lado da quadra existe um monstro chamado Federer. A cada confronto contra um dos top 3 (ainda não incluo Murray, ele ainda não é um monstro) Bellucci vem apresentando seu melhor tênis e quase sempre falta o detalhe que é mais mental do que qualquer outra coisa. Mas uma hora a bola vai entrar e o resultado pode ser muito benéfico para a carreira do brasileiro.

Legal ressaltar. Bellucci saiu de Moscou pra Basileia, descansou um dia – na verdade nem descansou direito pela viagem de cerca de 3h – e conseguiu uma baita virada contra Go Soeda. Outrora o brasileiro não teria forças para superar uma situação dessa por sua maior fragilidade física. E hoje contra Roger não demonstrou cansaço físico. Uma boa notícia.

Agora é concentrar em Paris. Bellucci está jogando bem e pode ir longe com uma chave legal.



MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo