Evolução notória. Dupla afiada. Teliana em alta



O título não veio, a frustração é grande. Sacou pro troféu em 5/4, 6/5. Definitivamente deixou escapar, falhou na hora H. A lamentar esse aspecto e o físico, a lesão no braço esquerdo que não apareceu hoje, mas sim no ATP de Winston-Salem, no fim de agosto (não se sabe ainda a gravidade do problema).

Essa semana foi notória a evolução de Thomaz Bellucci no piso rápido. em primeiro lugar com os resultados. Não perdeu para tenistas com ranking mais baixo e derrotou Ivo Karlovic, um super sacador, que te destrói na parte mental com aces nas horas de definição. Essa foi a mais marcante vitória de Bellucci numa semana onde pegou uma chave fácil e aproveitou, algo que não vinha ocorrendo.

Tecnicamente, Bellucci conseguiu sacar bem, variando as direções e seu jogo fluiu no fundo de quadra, nas devoluções e até nos voleios. Esteve afinado até a hora de sacar pra definir o título. Uma pena que o mental tenha falhado na hora de ganhar o troféu. Acontece.

Temos que ver pelo lado positivo. Bellucci mostrou que pode ser um jogador com melhores resultados na superfície rápida. Inclusive nos torneios maiores, contra jogadores melhores.

Seu próximo desafio é a Basileia. Joga em dois ou três dias. Pouco para descansar, bom para saber como realmente está o físico. Numa eventual segunda rodada pode enfrentar Roger Federer. Seria um lindo teste.

E nossos duplistas estão com a confiança lá no alto. Esta semana não teve Soares para eliminar Melo, eles se uniram e foram campeões em Estocolmo batendo uma forte dupla, a principal do torneio, com uma excepcional virada. Quarto título de Bruninho na temporada, nono na carreira, primeiro de Marcelo, décimo da vida. Nas duplas a alegria vem sendo constante, desde o US Open.

E no feminino ainda não temos a tamanha importância e conquistas do masculino, Teliana Pereira vem crescendo. Desde abril ela soma sua quinta final nível challenger vencendo, em Sevilha, seu segundo título, batendo uma top 130 e dona da casa na final. Terá, em oito dias, seu melhor ranking entrando possivelmente no top 170.

Uma pena que ainda esteja sem patrocínio tanto de roupas como raquetes e também algo forte de grana. Ela conta por enquanto com um  apoio do Governo do Estado do Paraná, que lhe dá uma ajuda de custo mensal.

Segue o imbróglio dela com a CBT. A Confederação Brasileira quer que ela treine com técnicos indicados por ela, mas Teliana opta por permanecer com seu esquema na Academia Paranaense de Tênis onde trabalha há anos. A CBT então corta o benefício à tenista que opta por não disputar os challengers por aqui.

Mesmo com o problema, Teliana vem trabalhando muito e é o destaque do tênis feminino brasileiro com ranking para jogar o quali dos principais torneios do mundo, WTAs e Grand Slams. A única do Brasil no momento.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo