A Semana do Brasil. Fundamentalista causa confusão



Tirando Thomaz Bellucci, a semana foi muito positiva para o tênis brasileiro. Bruno Soares vem em uma forma impressionante após seu título de mistas no US Open. Venceu duelo importante na Copa Davis classificando o Brasil ao Grupo Mundial e faturou dois títulos seguidos com seu parceiro Alexander Peya. Se alguém duvidava da capacidade da dupla por Kuala Lumpur ser um ATP 250 sem os tops, em Tóquio eles bateram Nenad Zimonjic, top 10 na categoria, e a dupla Paes/Stepanek, com duas finais e um título de Slam no ano. Só isso.

Com as vitórias Bruninho saltou 13 posições ao lado de Peya. Os dois são a dupla 16 do ano. Chances de ATP Finals ? Pequenas, mas existem.

As oito melhores se qualificam para o torneio, mas a atual nona colocada venceu um Major, em Wimbledon, e provavelmente deve ficar no top 20 garantindo sua participação. Sendo assim os top 7 entram em Londres e a diferença é de 2 mil pontos para a linha de corte com pouco mais de 3 mil em jogo.

Uma pena que essa dupla Soares/Peya só tenha sido formada na segunda metade da temporada. Em cinco torneios, dois títulos em três finais e quartas do US Open. Caso a difícil vaga em Londres não venha, em 2013 a expectativa ficará ótima para eles.

A maré estava boa para Melo e seu parceiro Dodig, mas o croata se machuycou, está fora do circuito e o mineiro está tendo que atuar com outros parceiros. Assim os dois estagnaram no 13º e praticamente deram adeus ao Finals. Uma pena.

E não deixemos de lembrar. Melo vem numa ótima fase e só vem batendo na trave contra Bruno Soares que o eliminou nas duas últimas semanas.

E outros brasileiros brilharam na semana. Aos 27 anos Ricardo Hocevar venceu seu primeiro challenger em sua terceira final, derrotando tenista entre os 160 do mundo e que já figurou no top 40 anos atrás, Thiemo De Bakker. Ricardo é o típico tenista batalhador que merece um bom resultado, mas vinha sofrendo muito com lesões nos últimos anos. De volta ao top 250 tomara que engrene de vez e monte um calendário no piso rápido, sua especialidade.

João Souza, o Feijão, faturou seu segundo challenger em três torneios e já ocupa o 131º lugar do ranking. Vem se recuperando após a queda para fora do top 170 e tem alguns outros eventos do tipo para tentar sua vaga próximo do top 100 que o daria classificação para o Australian Open de 2013.

E em São José dos Campos (SP), Carlos Severino conquistou seu primeiro título profissional, vencendo o future no Clube de Campo Santa Rita.

Curtinhas:

A freguesia no piso duro é cada vez mais latenta. Sharapova não consegue impôr seu jogo contra Azarenka e perdeu a quarta em quatro jogos no piso para a bielorussa. Sem dúvida o número 1 de Victoria é merecido e Maria precisa achar soluções. Fazer o que Nadal buscou contra Djokovic. Mas a musa russa não tem muito tato para variações…

Para não esquecer. Djokovic venceu Pequim, dançou e agora coloca o “?” em Federer com menos de 1 mil atrás do suíço e mais de 1 mil de vantagem no ranking do ano. Vem briga boa por aí.

E a confusão no Masters de Xangai com a ameaça de morte a Federer não passou de um mau entendido. Um torcedor, não identificado, discutia com outros colegas na internet quando fez ameaças ao suíço com a imagem de Roger com a cabeça cortada. A mesma foi parar num site popular chinês e gerou uma baita confusão com o torneio temendo e ampliando a segurança do torneio.

Pensava que isso só ocorria no Brasil, mas não, os torcedores fundamentalistas existem pelo mundo inteiro. Levam o ódio no coração a quem torce, admira ou curte o estilo do maior rival.

Federer, Nadal e Djokovic e agora quem sabe Murray fazem muito bem ao tênis, cada um com seu estilo. E a cada hora um deles estará na frente, melhor do que o outro. Todos tem o seu valor e merecem ser respeitados.



MaisRecentes

Um novo patamar para o Next Gen



Continue Lendo

Touro afia as garras para Roland Garros



Continue Lendo

Maior de todos no saibro, Nadal já pode almejar liderança na temporada



Continue Lendo