Olimpíada do Rio será na quadra dura. Wozniacki e Stosur no WTA de Floripa ?



Bati um papo aqui em São José do Rio Preto com o presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Jorge Lacerda, e ele confirmou que os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro serão disputados sobre a quadra rápida.

“O piso será o duro, por determinação do COI e da ITF”, disse Lacerda que ainda não sabe quando começarão a construir as 16 quadras que ficarão no complexo onde abrigava o Autódromo Nelson Piquet, em Jacarepaguá

“Já assinaram o acordo, quem constrói é o governo federal e agora só falta acertar as licitações para iniciar a obra. Ainda não temos previsão de quando ela será iniciada. O projeto ainda não recebi, mas já foi aprovado pela ITF, mas em um ano, um ano e meio se constrói tudo”, revelou.

Os jogos no piso duro vêm para atender tanto a demanda da época da Olimpíada que será iniciada no dia 5 de agosto e ficará no meio da série da América do Norte na superfície. A data porém do tênis na Olimpíada não está definida.

WTA em Florianópolis – Jorge também destacou que já iniciou o processo de negociações com fortes jogadoras para a disputa do WTA de Florianópolis, a partir do dia 25 de fevereiro de 2013. Ele quer trazer Samantha Stosur, tenista da Asics, patrocinadora da CBT, que organizará o evento, Caroline Wozniacki ou Venus Williams.

“Estamos negociando a vinda da Samantha Stosur, vamos conversar com a Wozniacki no fim do ano, ela gosta de jogar no Brasil,e com a Venus também”, disse Jorge.

O único problema para trazer tais jogadoras será uma determinação da WTA. O torneio é nível Internacional com premiação de US$ 220 mil e a entidade que cuida do tênis feminino permite que apenas uma top 10 (baseado no primeiro ranking do ano) possa disputar tais competições: “Temos que esperar como que vai fechar. Se a gente contratasse mais de um top 10 aí teríamos que aumentar a premiação e isso não dá no momento. Mas negociaremos para trazer uma top 10 e outra jogadora com nível de top 10.

No momento, Stosur se encontra entre as dez melhores e tanto Venus como Wozniacki estão fora.

A ideia da CBT é realizar cerca de dois challengers de US$ 25 mil prévios oferecendo convites para brasileiras que vierem a conquistar o título.

Projeto Olímpico será ampliado. Futures serão reduzidos – Outra novidade para 2013 é uma ampliação no Projeto Olímpico que passará a ser dividida em 18 Núcleos utilizando Centros de Treinamentos já existentes com a construção de mais alguns outros pelo Brasil.

“O que estamos mudando para questões melhores de prestação de contas é o núcleo de treinamento com o projeto de viagens de cada jogador. Nós teremos esse projeto dos Núcleos e também o Medalha Olímpica que já foi apresentado para a presidente Dilma e deve ser divulgado em breve, desse Medalha Olímpica é que sairá as passagens dos jogadores. Quase todos os jogadores do Projeto Olímpico, o Medalha Olímpica, estarão em alguns desses núcleos. Ele será destinado pra gurizada de 18 até 21 anos e a quem a gente sabe que pode estar na Olimpíada do Rio”.

Lacerda visa manter a série de 15 ou mais challengers para 2013, mas reduzirá o número de futures pelo país para 2013: “O entendimento dos técnicos é que os melhores que estão jogando os futures aqui precisam jogar os futures maiores que são na Europa. Nosso objetivo é reduzir o número de futures. Vamos seguir dando os patrocínios que damos pros futures, mas vamos estipular um calendário mais enxuto dos que vão receber os apoios que oferecemos de costume. Buscaremos fazer crescer a premiação os torneios que já temos e estipular datas chave para a disputa de séries de eventos.”



MaisRecentes

O melhor Rafael Nadal entra para a história do esporte



Continue Lendo

Djokovic ou Thiem podem parar Nadal ?



Continue Lendo

Um novo patamar para o Next Gen



Continue Lendo