A vez de Murray ?



Não temos Federer, não temos Nadal na decisão desta segunda-feira no US Open. Isso dá um alívio para Andy Murray, mas nem tanto pois do outro lado temos Novak Djokovic. Atual campeão do torneio, disputando sua quarta final em Nova York, com cinco Grand Slams no currículo.

A campanha na Olimpíada com vitórias sobre o próprio Djokovic e Federer nas duas rodadas finais dão uma boa ideia que Murray está cada vez mais experiente e preparado para vencer seu 1º Major, mas comparando as atuações de ambos durante o torneio de Nova York, o sérvio está mais firme e consistente. Na verdade, Nole só foi barrado no sábado, pelo vento. Por sorte, seu jogo começou atrasado, foi adiado e as condições normais lhe favoreceram.

Como disse no post de ontem não dá pra ter um parâmetro sobre o nível de atuação de escocês por conta do ocorrido ontem, mas avaliando todo o torneio, Andy mesclou jogos agressivos e sólidos coincidentemente nos jogos noturnos contra atuações passivas, preguiçosas nas partidas diurnas.

Para ganhar seu 1º Slam, Murray terá que ser aquele tenista das Olimpíadas e o homem da noite em Nova York. Jogar pra frente, buscando o winner, variações com bolas anguladas sem deixar Nole tomar conta dos pontos, caso contrário será engolido assim como foi na final do Australian Open de 2011.

Pelas mais constantes atuações, o meu favorito ao título é Djokovic. Se tivesse que colocar meu dinheiro nesta final, colocaria ele. Mas sem aquela enorme convicção. Tem tudo para ser um jogão de tênis. Ficaria melhor se repetissem aquela semi da Austrália este ano, batalha de cinco sets.

Curtinhas:

Se Murray for o campeão, pela primeira vez desde 2003 teremos todos os campeões de Slam diferentes num mesmo ano. Naquele anos os vencedores foram Roddick no US Open, Ferrero em Roland Garros, Federer em Wimbledon e Andre Agassi no Australian Open.

Djokovic, com o título, se consolida como o melhor jogador de quadra dura (descoberta) do ano. Foi campeão na Austrália, ganhou o Masters de Miami e Toronto.

O retrospecto de Djoko x Murray é de 8 a 6 pro sérvio com 6 vitórias contra 5 derrotas dele no piso duro. Bem equilibrado. Apenas dois jogos em Slams, ambos na Austrália com triunfos de Nole.

Final Feminina – Que grande final tivemos, como há alguns não não tinhamos no feminino. Parecia que seria fácil para Serena, mas Azarenka se concentrou, mudou a tática e teve o jogo nas mãos, mas falhou, cometeu erros na hora de fechar. Escapou. E Serena, que teve vida fácil durante todo o torneio, foi muito pressionada, confessou com erros, teve uma rival à altura, e precisou lutar muito para sair com o título. Qualquer uma merecia o título hoje.

O curioso é que Serena ganha dois Grand Slams no ano, a Olimpíada e permanecerá como a número 4 do mundo. A diferença é que ela não jogou no final do ano passado e não tem nada a defender até novembro. Então é a hora de subir. Mas aí é que surge a incógnita. Será que ela vai jogar os torneios de fim de ano ? O comprometimento da americana é apenas com os grandes eventos.

 



MaisRecentes

Djokovic está de volta!



Continue Lendo

Um racha no circuito ? 



Continue Lendo

Federer com muitos concorrentes para o All England Club



Continue Lendo